sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Machismo intrínseco, diz deputada criticada por usar decote



Assim que tomou posse na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, Ana Paula da Silva, a deputada Paulinha (PDT), se viu alvo de uma sucessão de hostilidades e blasfêmias nas redes sociais. Sem tempo de mandato para receber críticas pela atuação na Assembleia Legislativa, o seu primeiro desafio foi enfrentar a ira de internautas com a roupa escolhida para a solenidade, um macacão vermelho decotado.

Quinta deputada mais votada no Estado, com mais de 51 mil votos, Paulinha, de 43 anos, já havia sido eleita prefeita da cidade de Bombinhas, no litoral catarinense, em 2012, cargo que ocupou até o ano passado, após dois mandatos.

Com anos de experiência na vida pública, ela afirma que, apesar de nunca ter sido criticada pela roupa que estava usando no trabalho, a política ainda é um ambiente machista para a mulher.

"A mulher precisa provar todos os dias que ela é competente", diz Paulinha. "Sempre que uma deputada tem uma pauta e fala um pouco mais é porque ela é chata, é prolixa ou louca. A gente sempre tem um adjetivo para as mulheres políticas. Um senão para pontuar a sua conduta quando ela é guerreira. No meu caso, nesse momento, foi a roupa."

Mãe de duas filhas, uma de 20 e outra de 18 anos, e defensora das pautas de saúde pública e educação básica, Paulinha afirma que não irá mudar a sua conduta, nem sua vestimenta, após os ataques.

"Agora eu não posso mesmo arredar pé. Como que eu vou ser uma representante digna das mulheres se agora, depois de tudo isso, de tanto apanhar, eu mudar?".