quarta-feira, 15 de julho de 2020

Barroso veta biometria nas eleições municipais por causa da covid-19



O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso decidiu vetar a necessidade de identificação biométrica nas eleições municipais que serão realizadas no fim deste ano por causa do risco de infecções de covid-19. Os brasileiros irão às urnas escolher vereadores e prefeitos.
A exclusão do procedimento segue recomendação dos infectologistas que prestam consultoria sanitária ao TSE para que as eleições ocorram. A decisão do ministro ainda precisa ser analisada pelos demais ministros da corte eleitoral. A questão deverá ser levada para análise pelo plenário depois que acabar o recesso do Judiciário.
Os profissionais levaram em conta que a identificação pela digital pode aumentar a possibilidade de infecção e aumenta as aglomerações nos domicílios eleitorais, uma vez que é mais demorada. Além disso, muitos eleitores têm dificuldade com a leitura das digitais, o que aumenta o risco de formar filas.
Integram o grupo da consultoria sanitária os médicos David Uip, do Hospital Sírio Libanês, que também auxilia o governo de São Paulo no combate à pandemia; Marília Santini, da Fundação Fiocruz; e Luís Fernando Aranha Camargo, do Hospital Albert Einstein.
O objetivo do grupo também é fazer uma cartilha sanitária para auxiliar no pleito, que será feito em novembro deste ano. Também por causa da covid-19, as eleições foram adiadas.

“Achei que ia morrer como George Floyd”, diz mulher pisoteada por PM

Crédito: Reprodução/ TV Globo

A mulher negra, de 51 anos, que teve o pescoço pisado por um policial em São Paulo afirmou nesta terça-feira (14) que momentos antes de desmaiar lembrou de George Floyd, o homem negro que morreu asfixiado nos Estados Unidos ao ter o pescoço prensado pelo joelho de um policial.

“Eu acompanhei o caso do rapaz que morreu sufocado e, quando eu estava sendo agredida, eu lembrei da imagem dele. Eu achei que iria morrer que nem ele”, contou a vítima ao programa “Encontro”, da TV Globo.
Conforme a mulher, que não quis se identificar, a agressão que sofreu foi inesperada. “Eu nunca fui abordada. Então, para mim, isso foi uma surpresa. Eu sempre tratei eles com respeito e eles a mim.” As informações são da IstoÉ.

Bolsonaro assinará decreto que proíbe fogo na Amazônia nesta 5ª, diz Salles



O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) afirmou nesta 4ª feira (15.jul.2020) que o decreto que proíbe uso de fogo na Amazônia e no Pantanal por 120 dias está pronto e deve ser assinado pelo presidente Jair Bolsonaro nesta 5ª (16.jul).
Salles anunciou na semana passada que esse decreto seria baixado. Ele deu a confirmação da data durante entrevista à imprensa ao lado do vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho da Amazônia.
Mourão disse nessa mesma ocasião que é preciso ter “1 planejamento para recuperação da capacidade operacional dos órgãos de fiscalização”. O vice-presidente afirmou que esses órgãos “perderam pessoal por aposentadoria”. 
O general afirmou na última 6ª feira (10.jul) que o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) precisa de mais fiscais. Ele ainda lamentou que não tem a prerrogativa de remanejar servidores do administrativo para a fiscalização em campo.
Mourão também voltou a mencionar a complexidade de remover garimpeiros ilegais. Assim como nesta 3ª feira (14.jul), ele declarou que operações de remoção desse grupo não são tão simples como tirar camelôs da Avenida Presidente Vargas, uma das principais vias do Cento do Rio de Janeiro, que tem diversos comerciantes informais.
O vice-presidente afirmou que o garimpo existe há cerca de 30 anos em Roraima. O aumento ou não da atividade, segundo ele, varia em função de outros fatores, como o preço do ouro e o tamanho do desemprego.
Mourão disse que 1 PL (projeto de lei) “está sendo assinado hoje [4ª feira, 15.jul] por Bolsonaro para ser enviado ao Congresso e conceder recursos às Forças Armadas para extensão das operações de GLO (Garantia da Lei e da Ordem) na Amazônia.
“Desmatamento zero e desenvolvimento econômico não são excludentes. Muito pelo contrário”, afirmou o vice-presidente.

Jovem que ficou conhecida após virar meme morre em hospital de Curitiba

Stephany morreu na madrugada de segunda (13), no Hospital Marcelino Champagnat, em Curitiba  — Foto: Instagram/Reprodução

A jovem Stephany Rosa, que ficou conhecida depois de dar uma entrevista embriagada, em Curitiba, morreu na madrugada de segunda-feira (13). A entrevista viralizou nas redes sociais e ela ficou conhecida como "meme da Lei Seca".

Stephany estava internada no Hospital Marcelino Champagnat e, recentemente, fez posts e redes sociais falando de luta contra um câncer. O hospital não informou a causa da morte.

A entrevista foi em 2012. Stephany foi abordada durante uma blitz e encaminhada para a delegacia.

"É com esse sorriso que sempre lembraremos de você ! Sua família perde uma parte do coração , e você viverá pra sempre dentro de nós agradecemos todas as mensagens de carinho e amor descanse em paz minha filha com amor sua mãe. Que dor no coração", desabafou a mãe da jovem no Instagram.

Brasil supera 1.300 mortes em 24h e passa dos 74 mil óbitos



O Brasil contabilizou 74.133 mortos e 1.926.824 casos do novo coronavírus (Sars-CoV-2) desde o início da pandemia, informou o levantamento do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Ministério da Saúde nesta terça-feira (14).

De acordo com o balanço, foram registrados mais 1,3 mil óbitos e 41.857 novos contágios em um período de 24 horas, com uma taxa de letalidade de 3,8%. Já o índice de mortalidade é de 35,3 pessoas por cada 100 mil habitantes, enquanto que a taxa de incidência saltou de 897 para 916,9 indivíduos para cada 100 mil cidadãos em todo território brasileiro. Os recordes de casos e de óbitos geralmente ocorrem às terças-feiras, quando são contabilizados os exames que ficam represados nos finais de semana.

São Paulo ainda lidera a lista dos estados mais afetados pela Covid-19, com 386.607 contaminações e 18.324 falecimentos. Na sequência aparecem Ceará (139.437 infecções e 6.977 vítimas), Rio de Janeiro (132.822 casos e 11.624 óbitos) e Pará (128.570 contágios e 11.624 mortes). A maior taxa de letalidade entre os estados, no entanto, continua sendo a do Rio de Janeiro, com 8,8%.

De acordo com um consórcio formado por veículos de imprensa, o Brasil registrou 1.341 mortes e 43.245 novas infecções de coronavírus nas últimas 24 horas. Com isso, o total de óbitos neste balanço é de 74.262 e o de contaminações, de 1.931.204.

Governo anuncia fim de medidas restritivas no Estado



O Governo do Estado informou a pouco, através de sua assessoria que as medidas restritivas constantes do decreto 4942/20, válidas para as regionais de Saúde de Londrina, Cascavel, Cornélio Procópio, Toledo, Cianorte, Litoral e Região Metropolitana de Curitiba perdem efeito a partir desta terça-feira (14). 

A decisão foi tomada por orientação da vigilância epidemiológica. As restrições para a 1ª Regional de Saúde, do Litoral, serão mantidas até o dia 21 de julho.

Mais de 200 mil cartões do programa 'Comida Boa' serão devolvidos ao governo estadual

Cartões não retirados nas prefeituras serão devolvidos ao governo estadual. — Foto: Prefeitura de Cascavel/Divulgação

Quase 215 mil cartões do programa estadual "Comida Boa" serão devolvidos à Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab) pelas prefeituras. Conforme o governo, esses cartões não foram retirados por pessoas que têm direito a receber o benefício de R$ 50.

Quem já retirou o cartão continua recebendo o valor disponibilizado pelo estado normalmente. Somente aqueles que ainda estão com as prefeituras serão recolhidos.

A Seab informou que foram emitidos 1.008.514 cartões, sendo que 794.021 foram entregues. A terceira parcela será depositada nas próximas horas, ainda conforme o governo.

Pessoas inscritas no Cadastro Único do governo federal e a microempreendedores que ficaram sem renda durante a pandemia tinham o direito de receber o valor.

Os R$ 50 devem ser usados, conforme o governo estadual, apenas para a compra de alimentos da cesta básica nos estabelecimentos comerciais cadastrados.

Um ofício enviado pelo Governo do Estado aos prefeitos apontou que para o pagamento da terceira parcela foi necessário suspender a distribuição de novos cartões. O documento afirmou que isso é necessário devido a redução das receitas estaduais.

O secretário Norberto Ortigara negou que o recolhimento seja por causa do orçamento do estado, mas sim porque os cartões não estavam sendo usados.

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento informou que compras no valor de R$ 74.394.000 foram feitas até a noite de segunda-feira (13), no total de 1.780.000 transações.

O governo afirmou que o programa teve um custo de R$ 100 milhões.

Fiocruz e dois hospitais devem criar protocolos para eleições, diz TSE

Entrevista coletiva do ministro Roberto Barroso por videoconferência. Brasília-DF, 26/05/2020

Foto: Roberto Jayme/ASCOM/TSE

Agência Brasil – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anunciou hoje (13) um acordo para que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e os hospitais Sírio-Libanês e Albert Einstein participem da elaboração de um protocolo de segurança para a realização das eleições municipais de novembro, tendo em vista a pandemia de covid-19.

As instituições devem avaliar todos os riscos de contágio e à saúde pública durante a votação e desenvolver em seguida os protocolos sanitários e ambientais para a realização da votação no cenário da pandemia.

Segundo o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, não haverá custo aos cofres públicos pelo serviço, que será uma ajuda “patriótica”, prestada “graciosamente”, conforme escreveu ele em ofício dirigido às instituições.

Em virtude da pandemia, o Congresso promulgou há duas semanas uma emenda à Constituição que adiou o primeiro turno das eleições municipais de 4 de outubro para 15 de novembro. O segundo turno foi alterado de 25 de outubro para 29 de novembro.

Fundação Volks e BASF se unem para produzir máscaras com acessibilidade

Fundação Volks e BASF se unem para produzir máscaras com acessibilidade

A Fundação Volkswagen e a BASF uniram-se para apoiar a produção de máscaras de algodão laváveis com visor transparente na região da boca. O objetivo é tornar esse equipamento de proteção individual, fundamental para a prevenção contra o novo coronavírus, acessível para pessoas com deficiência auditiva que realizam leitura labial. 
Além disso, esse modelo humaniza o convívio em tempos de pandemia, uma vez que possibilita a visualização de sorrisos e outras expressões faciais.
Segundo a marca, a ideia nasceu de um colaborador da Volkswagen Financial Services, uma das empresas que fazem parte dos órgãos de governança da Fundação Volkswagen, inspirado na iniciativa de uma estudante norte-americana. 
“Ele e seu grupo do curso de mestrado em Gestão da Inovação da Universidade Federal do ABC procuraram a Fundação, em busca de apoio técnico para um protótipo. Não só por termos um projeto de costura, mas também porque a inclusão de pessoas com deficiência é uma das causas que abraçamos”, explica Vitor Hugo Neia, diretor de Administração e Relações Institucionais da Fundação.
A partir desse contato, a Fundação Volks apresentou o desafio a uma das empreendedoras participantes do Costurando o Futuro, projeto voltado à empregabilidade a ao empreendedorismo em comunidades por meio da formação profissional em costura. 
Muitos dos itens produzidos e comercializados pelas costureiras são feitos de tecidos automotivos doados pelo Grupo VW e fornecedores que, pela técnica do upcycling, dão origem a bolsas, mochilas e outros acessórios.
Segundo a instituição, após os primeiros testes, que envolveram pessoas com deficiência de associações parceiras, percebeu-se que os plásticos disponíveis no mercado embaçavam no momento da fala, o que dificultava a visualização da boca e, consequentemente, a leitura labial. 
Foi então que a Fundação Volks, por meio da área de Qualidade da Volkswagen do Brasil, chegou à BASF, para verificar a existência de algum produto para diminuir o embaçamento.
“Na ausência desse produto, a BASF desenvolveu um filme plástico antiembaçante produzido por uma parceira, que reduziu consideravelmente o problema. Além disso, as duas empresas doaram matéria-prima suficiente para a produção de mais de 100 mil máscaras. As peças são comercializadas pelo preço de custo e toda a renda é revertida para as costureiras”, aponta Sandra Viviani, analista de responsabilidade social que coordena o projeto na Fundação.
Essa ação soma-se à produção de mais de 120 mil máscaras de algodão tradicionais, encomendadas por empresas do Grupo Volkswagen, seus concessionários e fornecedores às participantes do projeto Costurando o Futuro, que mobilizou quase 100 pessoas, contribuindo com o sustento de seus negócios e famílias em meio à crise econômica. 

Governo passa a permitir que empresas recontratem funcionários demitidos há menos de 90 dias



O Ministério da Economia, através da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, deixou de considerar fraude – durante o período da pandemia – a recontratação de funcionários demitidos sem justa causa no período de 90 dias.
A contrapartida apresentada pelo governo é que os termos do contrato rescindido devem ser mantidos.
A decisão foi publicada agora há pouco em edição extra do Diário Oficial.
Lauro Jardim – O Globo

Gilmar deve desculpas se tiver "grandeza moral", diz Mourão

Vice-presidente Hamilton Mourão
17/04/2020
REUTERS/Ueslei Marcelino

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta terça-feira, 14, que, se o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, tiver "grandeza moral", tem de se desculpar e se retratar após declarar que o Exército se associou a um "genocídio" durante a pandemia do novo coronavírus.

Na segunda-feira, o vice já havia dito que Gilmar "forçou a barra e ultrapassou o limite da crítica". Em nota divulgada nesta manhã, o ministro do Supremo Tribunal Federal afirmou que não atingiu a honra do Exército e manteve as críticas à "substituição de técnicos por militares nos postos-chave do Ministério da Saúde". Em reação, o Ministério da Defesa afirmou que entraria com uma representação contra Gilmar na Procuradoria-Geral da República (PGR).

Na entrevista à CNN Brasil nesta terça, Mourão afirmou que é preciso esperar a redução no avanço da covid-19 no País para promover a troca no comando do Ministério da Saúde. "Espera a pandemia arrefecer, aí troca", disse. Eduardo Pazuello, general da ativa, está no comando interino da pasta há dois meses, após a saída de Nelson Teich.

Na visão do vice-presidente, a covid-19 apresenta "menores graus de letalidade em locais onde houve avanço muito rápido", como São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus e Belém. "Deixa que se tenha noção de que atingimos um ponto de controle para aí trocar ministro."

Advogados vão resistir a registro de Moro na OAB

Ex-ministro da Justiça Sergio Moro
24/04/2020
REUTERS/Ueslei Marcelino

A situação lembra a vivida pelo ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa, relator do mensalão. Em 2014, seu pedido de registro da OAB virou um imbróglio de meses. Então presidente da seção do Distrito Federal da OAB, o atual governador Ibaneis Rocha (MDB) se posicionou contra o pedido de inscrição de Barbosa. Ele alegou que atos e declarações do ex-presidente do STF teriam contrariado a classe dos advogados. Citou, como exemplo, a vez que Barbosa expulsou, do plenário do STF, o advogado Luiz Fernando Pacheco, que defendia o ex-deputado federal José Genoino (PT).

A seccional recuou da impugnação, e o registro de Barbosa foi aprovado. Procurado, o ex-ministro do Supremo não quis comentar o assunto.

Ao Estadão, Moro recordou da disputa de Barbosa: "Lembro que o ministro Joaquim Barbosa, quando pretendeu se inscrever na OAB, teve resistência similar". Moro ainda classificou a mobilização de advogados contra seu registro como "revanchismo" por sua atuação na Lava Jato.

"Se houver de fato alguma iniciativa para questionar meu registro na OAB, lamentarei, mas só posso atribuir a algum revanchismo pelos esforços da Lava Jato no combate à corrupção e a interesses especiais contrariados. Minhas decisões, como juiz, foram mantidas, quase integralmente, pelas Cortes recursais e as que não foram, entendo como parte natural do campo de divergências jurídicas", escreveu, em nota.

A ofensiva anti-Moro é encabeçada pelo Grupo Prerrogativas, que reúne advogados, inclusive representantes dos ex-presidentes Dilma Rousseff (PT), Michel Temer (PMDB) e José Sarney (PMDB), além de defensores do deputado Aécio Neves (PSDB-MG) e do senador José Serra (PSDB-SP).

Segundo fontes ouvidas pelo Estadão, a peça de impugnação de registro na OAB de Moro vai alegar conduta incompatível com a advocacia. Também será citado o caso da interceptação de telefones do escritório Teixeira, Martins Advogados - que representa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - autorizada por Moro em 2016.

Organizador do grupo, o advogado Marco Aurélio de Carvalho, disse que o caso de Moro é diferente do de Barbosa. "Embora Barbosa fosse descortês (com advogados), ele nunca infringiu sistematicamente o direito de defesa. Merecia uma censura. Já o caso do Moro pede impedimento", afirmou ao Estadão. "Não temos nada contra o Moro, mas contra o tipo de Justiça seletiva e parcial que ele representa", acrescentou.

CGU encontra 299 mil servidores recebendo auxílio emergencial irregular

CGU encontra 299 mil servidores recebendo auxílio emergencial irregular

A Controladoria-Geral da União (CGU) identificou e bloqueou o pagamento do auxílio emergencial a 299 mil servidores públicos estaduais e municipais que solicitaram o benefício irregularmente durante a pandemia de coronavírus. A informação é do ministro da CGU, Wagner Rosário, que participou nesta terça-feira (14) de uma audiência pública da comissão que acompanha as ações do governo federal no enfrentamento da covid-19.
Os 299 mil casos citados pelo ministro representam 0,45% do total de 65,2 milhões de pessoas que já receberam o auxílio desde abril. O benefício de R$ 600 é destinado a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados. Ele não pode ser pago a agentes públicos, mesmo que temporários.
— Realmente, a gente tem encarado uma situação de muita tentativa de fraude nos recursos do auxílio emergencial. Os cruzamentos identificaram números relevantes de servidores públicos. Iniciamos um trabalho de busca nas folhas de pagamentos estaduais e municipais. Numa parceria com estados e municípios, cruzamos e identificamos de 299 mil servidores de todos os entes recebendo recursos do auxílio emergencial. É um recurso que a gente tem que estar muito atento — disse.

Dispensa de licitação

Wagner Rosário destacou ainda uma “análise prévia” realizada pela CGU nas aquisições realizadas pelo Ministério da Saúde por meio de dispensa de licitação. Numa amostra de contratações que somam R$ 6,4 bilhões, o órgão de controle encontrou “fragilidades” em aquisições que envolvem R$ 2 bilhões. Desde o início da pandemia, o Palácio do Planalto liberou R$ 39,59 bilhões para o Ministério da Saúde. Deste total, foram efetivamente pagos R$ 12,18 bilhões.
De acordo com o ministro, a CGU também acompanha os repasses da União para estados, Distrito Federal e municípios. O Portal da Transparência do governo federal mantém um painel específico para orientar governadores e prefeitos nas compras relacionadas à pandemia. O serviço reúne informações sobre despesas realizadas por 280 entes da Federação. Entre eles, todos os estados, todas as capitais e todos os municípios com mais de 500 mil habitantes.
— Estamos fazendo um trabalho bem braçal de busca em diários oficiais e em portais de transparência de estados e municípios. São levantamentos de preços e quantidades de aquisição para oferecer aos gestores uma média de preços praticados no momento da pandemia. Quando aumenta muito a demanda por equipamentos de proteção individual e respiradores, o preço sobe. Precisávamos buscar um preço de referencia para este momento. Não adiantava muito tentar comparar o preço atual com o anterior. Também fizemos uma análise mais detalhada das empresas que estão contratando, para tentar fazer uma análise de risco das aquisições feitas pelos diversos entes federais, inclusive a União — afirmou. (Agência Senado)

terça-feira, 14 de julho de 2020

Bolsonaro ficou estacionado na fase da negação da covid-19’, diz Mandetta



Para o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), colocar militares para conduzir a pasta durante a pandemia de covid-19 é como deixar a saúde dos brasileiros “nas mãos de jogadores de futebol ou físicos nucleares no momento de maior risco da história do país”.

Mandetta foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro em meados de abril, após divergências entre ambos em relação à resposta à doença causada pelo novo coronavírus. O ministro foi substituído pelo médico Nelson Teich, que, após menos de um mês no cargo, pediu demissão, em meados de maio. Desde então, a pasta da Saúde está sob o comando interino do general Eduardo Pazuello.

Após o início da epidemia no Brasil, Bolsonaro “começou a se cercar daquelas pessoas que m tempos de crise adoram falar o que o chefe quer ouvir”, diz Mandetta.

Saque de auxílio emergencial é liberado para beneficiários do 3º lote



Beneficiários do auxílio emergencial contemplados no terceiro lote podem sacar nesta terça-feira (14) os recursos da primeira parcela. O saque está liberado para os nascidos entre outubro e dezembro. O auxílio foi criado pelo governo para reduzir os efeitos da pandemia na economia brasileira.
A Caixa antecipou o calendário de saque em dinheiro aos beneficiários com direito a receber a primeira parcela do auxílio emergencial por terem sido aprovados no início do mês de junho.
Essas pessoas, que pertencem ao terceiro lote que a Caixa recebeu da Dataprev, teriam originalmente a liberação do saque em espécie concluída em 18 de julho. O calendário de saque em dinheiro teve início no dia 6 de julho, de forma escalonada pelo mês de nascimento.
Os beneficiários nascidos entre julho e setembro puderam sacar ontem. Os nascidos em junho tiveram o saque liberado no último sábado (11).
Nos dias 16 e 17 de junho, os valores de R$ 600 e R$ 1.200 (no caso de mães solteiras) já haviam sido depositados para esse público na conta poupança social digital da Caixa, de maneira escalonada conforme a data de aniversário do beneficiário.
Nas datas disponíveis para saque, havendo saldo, o valor será transferido automaticamente para a conta que o beneficiário indicou, sendo poupança da Caixa ou conta em outro banco.
Cartão de débito virtual
A Caixa informou que o beneficiário não precisa sacar o auxílio para transacionar o dinheiro. O aplicativo Caixa Tem possibilita que o cidadão faça transferências bancárias e ainda pague contas, como água, luz e telefone.
Além disso, o aplicativo disponibiliza gratuitamente o cartão de débito virtual. Com ele, é possível fazer compras pela internet, aplicativos e sites de qualquer um dos estabelecimentos credenciados. O cartão também é aceito em diversas lojas físicas.
O banco explica que, para utilizar o cartão virtual, o beneficiário precisa gerá-lo. Para isso, o primeiro passo é atualizar o Caixa Tem. Depois, entrar no aplicativo e acessar o ícone Cartão de Débito Virtual.
Feito isso, o usuário deverá digitar a senha do Caixa Tem. Em seguida, aparecerão os seguintes dados: nome do cidadão, número e validade do cartão, além do código de segurança. Ao lado do código, é preciso clicar em “gerar”. Pronto. O cartão está disponível. O código de segurança vale para uma compra ou por alguns minutos. Para realizar uma nova compra é preciso gerar um novo código.
QR Code
Além da possibilidade de uso do cartão de débito virtual, disponível para compras online, o Caixa Tem também oferece a opção “pague na maquininha”, forma de pagamento digital que pode ser utilizada nos estabelecimentos físicos habilitados.
É uma funcionalidade por leitura de QR Code gerado pelas maquininhas dos estabelecimentos e que pode ser facilmente escaneado pela maioria dos telefones celulares equipados com câmera. Quando o cliente seleciona a opção Pague na maquininha, no aplicativo, automaticamente a câmera do celular é aberta. O usuário deve apontar o celular para leitura do QR Code gerado na “maquininha” do estabelecimento.
Agência Brasil

Jandaia do Sul antecipa primeira parcela do 13º para servidores



A Prefeitura de Jandaia do Sul paga, nesta quarta-feira (15), a todos os servidores municipais, aposentados e pensionistas a primeira parcela do 13º salário de 2020.

Com a antecipação do pagamento, decisão tomada pelo prefeito Benedito José Pupio, a expectativa é proporcionar aos servidores, grande parte chefes de família, tranquilidade neste momento de preocupação com a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O pagamento também pode ajudar a economia, com a movimentação de recursos.

Lacen confirma mais dois casos de coronavírus em Ivaiporã



Dois novos casos de Covid-19 foram registrados nesta segunda-feira (13) em Ivaiporã. Conforme o Departamento Municipal de Saúde, as amostras foram analisadas pelo Lacen (Laboratório Central do Paraná).
Com os resultados desta segunda-feira,  o município contabiliza 214 casos positivos, 159 pacientes recuperados, e seis óbitos. Das 1201 amostras de pacientes com suspeita de coronavírus 970 tiveram resultado negativo. 

São João do Ivaí adquire tablets para agentes de saúde



Visando modernizar o sistema de cadastro e acompanhamento da comunidade, a secretaria de Saúde de São João do Ivaí adquiriu tablets que foram distribuídos para os 30 agentes comunitários de saúde do município.
A aquisição foi feita com recursos oriundos de emendas parlamentares do ex-deputado federal, Alex Canzinani, e da deputada federal, Luísa Canziani. A compra contou com a aprovação do Conselho Municipal de Saúde e da Comissão Intergestora Regional.
Os equipamentos possibilitarão que as equipes de saúde da família alimentem o sistema do programa Previne Brasil em tempo real. “É um grande avanço para a informatização da rede pública, possibilitando que tenhamos acesso as informações da rede primária de forma mais integrativa e direta. Os projetos e melhorias para o setor de saúde serão facilitados com esse novo sistema”, destaca a secretária de Saúde, Adriana Ceron de Almeida. Os equipamentos foram entregues para os agentes na semana passada.  

Prorrogado prazo de MP que relativiza responsabilidade de gestor em pandemia

Investimento do governo federal para 2019 é o menor em 14 anos

O presidente da Mesa do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre, prorrogou por 60 dias a vigência de duas medidas provisórias que tramitam na Casa. Os atos referentes às MPs 965 e 966, ambas de 2020, estão publicados no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (13).

A MP 966/2020 relativiza a responsabilidade do agente público durante a pandemia do coronavírus. De acordo com o texto, o profissional só poderá ser responsabilizado, nas esferas civil e administrativa, se houver dolo ou erro grosseiro, praticado com culpa grave, “com elevado grau de negligência, imprudência ou imperícia”.

Publicada em 14 de maio, a medida causou reação imediata de senadores. Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e a bancada do Cidadania chegaram a entrar com requerimento, no mesmo dia, para que o Congresso devolvesse o texto ao governo. A Rede também acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) contra a MP, por meio de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), com pedido de decisão cautelar.

Em 20 de maio, então, o STF decidiu impor limites à Medida Provisória 966. Em seu relatório, o ministro Luís Roberto Barroso assinalou a legalidade da MP, mas apontou que atos sem respaldo científico assinados durante a pandemia poderão ser enquadrados como “erro grosseiro” e não poderão ser anistiados.

Para os senadores que contestaram a medida, a MP 966/2020 é inconstitucional e carece dos pressupostos constitucionais de urgência e relevância necessários para os temas debatidos durante a decretação de calamidade em saúde pública pela pandemia de coronavírus. Com o novo prazo de vigência, os parlamentares terão mais tempo para discutir a matéria.

A outra medida provisória que teve o prazo de vigência estendido por 60 dias (MP 965) libera R$ 408,8 milhões para o Ministério da Justiça e Segurança Pública atuar no enfrentamento da situação de emergência.

O texto, que havia perdido a validade neste domingo, 12 de julho, aguarda votação na Câmara dos Deputados. (Agência Senado)

Pandemia pode "piorar, piorar e piorar", diz diretor da OMS

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Gebreyesus, em Genebra
03/07/2020 Fabrice Coffrini/Pool via REUTERS

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou nesta segunda-feira, 13, que alguns países não têm aplicado as recomendações básicas de saúde para controle do coronavírus e que, caso essa situação continue, o quadro geral da pandemia piorará

"Deixe-me ser direto: muitos países estão na direção errada. O vírus permanece como inimigo público número 1, mas a ação de muitas pessoas e governos não reflete isso", disse Tedros. "Se as medidas básicas não forem seguidas, a única direção que essa pandemia pode seguir é piorar, piorar e piorar".

O diretor-geral falou que no domingo, 12, 230 mil novos casos de covid-19 foram reportados à organização, sendo que 50% desses correspondiam a apenas dois países. Segundo dados da Universidade Johns Hopkins desta segunda-feira, já são mais de 12,9 milhões de infectados pelo coronavírus registrados no mundo.

Novamente, Tedros ressaltou a necessidade de uma estratégia focada na supressão da transmissão e comunicação clara com sua população por parte dos governos. Também destacou que todo cidadão naõ deve deixar de seguir os princípios básicos: distanciamento social, higienização constante das mãos, uso de máscara, etiqueta respiratória e permanência em casa, se estiver doente. "Não tem atalhos nessa pandemia. Todos nós queremos uma vacina, mas precisamos usar as ferramentar que temos".

Wassef vê falta de bom senso em Queiroz e se diz diferente dos Bolsonaros

Crédito: Reprodução/ CNN

Frederick Wassef, ex-advogado da família Bolsonaro, comentou em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo sobre ter acolhido em sua casa em Atibaia Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro.

+ Gentili revela que Bolsonaro pediu sua demissão: “Esse ‘fdp’ foi pedir minha cabeça”

Para Wassef, Queiroz foi descuidado ao participar de festas, almoços e levar estranhos para a casa de Atibaia sem o seu conhecimento.

“Se ele [Queiroz] está ali, em busca de paz, privacidade, para cuidar da saúde e não ser um lugar público para que não o assassinem, é óbvio que a pessoa tem que ter o mínimo de bom senso e o mínimo de cuidado. Coisa que ao tudo indica ele não teve”, disse Wassef à Folha.

De acordo com o advogado, “Queiroz não teve o devido cuidado” ao enviar imagens da casa pelo WhatsApp. Ele disse ainda que não permitiria que Queiroz ficasse na casa se soubesse dos amigos que levou para lá. No entanto, afirma não se arrepender de ter oferecido abrigo ao ex-assessor dos Bolsonaros.

Médicos e enfermeiros da Grande Curitiba podem lavar o carro de graça neste mês



Em decorrência do aumento do número de casos de coronavírus em todo o Paraná, a WOW, franquia de Lava Car com unidades em Curitiba e Colombo, oferecerá durante todo o mês de julho higienização gratuita para veículos (particulares ou de trabalho) de médicos, enfermeiros e demais profissionais da saúde que estão na linha de frente nos pronto-atendimentos e hospitais de Curitiba e Região Metropolitana.
De acordo com Felipe Boell, CEO da WOW, esta é a forma que a empresa encontrou para auxiliar no combate à pandemia, que já dura quatro meses. Aos profissionais, basta apresentar um documento que comprove a atividade na saúde e contar com os serviços quantas vezes precisarem. A oferta gratuita das lavagens será realizada de segunda a sexta-feira, das 7 às 22 horas, respeitando a orientação da Secretaria Estadual de Saúde de restringir a circulação de pessoas em locais públicos nos finais de semana. Estima-se que o vírus da Covid sobreviva até 72 horas sobre superfícies metálicas.
A oferta gratuita das lavagens será realizada de segunda a sexta-feira, das 7 às 22 horas, respeitando a orientação da Secretaria Estadual de Saúde de restringir a circulação de pessoas em locais públicos nos finais de semana. 
"Apesar de continuarmos abertos nos finais de semana, a gratuidade nestes casos será oferecida durante os dias úteis para evitar aglomerações desnecessárias nos fins de de semana. A lavagem de carros é um serviço essencial para a população, principalmente em época de pandemia e informamos que estamos tomando todos os cuidados para atender a população", explica Felipe.
Felipe acrescenta que o motorista não precisa sair do carro para a lavagem, sendo esta totalmente automatizada. Além disso, o mecanismo de lavagem da WOW é totalmente ecológico e utiliza pouca água. 
A ação acontece nas quatro unidades da WOW, localizadas nos postos da Rede Petrosol: Minérios (Rua José Bajerski, 44, Abranches), Trabalhador (BR 277, 4.100), Rodovia da Uva (n. 881, Colombo) e Botânico (Rua Urbano Lopes, 483).
Além desta iniciativa de combate à Covid-19, a empresa tem lavado desde abril os veículos da saúde dos municípios de Almirante Tamandaré e Curitiba, como ambulâncias.

Deputados da base do governo Bolsonaro usam verba de gabinete para lucrar na internet

Carla Zambelli (PSL/SP): Em junho ela gastou R$ 4 mil da cota parlamentar com uma firma que trabalha na edição do conteúdo que posta

Deputados da base governista e da oposição transformaram a divulgação da atividade na Câmara num negócio privado. Eles recorreram a empresas contratadas com dinheiro da cota parlamentar e assessores pagos pela Casa para gerir canais monetizados no YouTube, com vídeos que arrecadam recursos de acordo com o número de visualizações. A prática vem sendo chamada de "toma lá, dá cá" nos corredores do Congresso.
Estadão identificou ao menos sete parlamentares que estão ganhando dinheiro dessa forma. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) é uma delas. Em junho ela gastou R$ 4 mil da cota parlamentar com uma firma que trabalha na edição do conteúdo que posta. O alcance dos vídeos gerou a Carla R$ 23.702, dos quais diz ter recebido já R$ 15,1 mil do YouTube.
Além dela, os deputados Joice Hasselmann (PSL-SP), Bia Kicis (PSL-DF), Otoni de Paula (PSC-RJ), Paulo Pimenta (PT-RS) e Flordelis (PSD-RJ) também contrataram empresas com dinheiro da cota parlamentar para fazer edição e montagem dos vídeos apresentados em seus canais no YouTube. Já Gleisi Hoffmann (PT-PR) recorreu a assessores pagos pela Câmara para manter seu canal. Destes, apenas Pimenta e Otoni de Paula disseram à reportagem ter desistido da monetização.
Os únicos deputados que informaram ao jornal quanto teriam recebido foram Gleisi (R$ 32,3 mil) e Carla. Procurado pela reportagem, o YouTube não informou os valores repassados aos parlamentares, alegando sigilo de informação. Esse dinheiro que vai para o bolso dos deputados não é alvo de fiscalização e controle da Câmara. A instituição não inclui a prática, que é nova, na lista de irregularidades.
Alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre atos antidemocráticos, Bia Kicis pagou R$ 45,5 mil de sua cota às empresas BM Gestão de Mídias Sociais e L. A. Soluções em TI e Marketing Digital por serviços de produção, edição, montagem e publicação para o canal dela no YouTube, entre novembro de 2019 e junho deste ano. Nos últimos cinco meses, o canal saltou de 100 mil inscritos para 136 mil, o que amplia a visualização dos vídeos, fator determinante para recebimento de valores.
Um documento enviado pela Secretaria de Comunicação Social (Secom) à CPI mista das Fake News no Congresso registrou que o canal dela exibiu, no ano passado, anúncio da reforma previdenciária. A deputada não quis comentar o assunto.
Também na mira do STF, Otoni de Paula pagou R$ 191,6 mil às empresas Agência Vírgula e Aplicanet por serviços que se relacionam ao canal dele, entre março do ano passado e maio deste ano. O canal tem 81,2 mil inscritos. Ao Estadão, o deputado disse que não sabia da monetização e informou que suspenderia a prática e, caso tenha recebido alguma quantia, repassará de volta à Câmara. "Foi um erro de gestão e assessoria, que já foi corrigido com o YouTube", disse a assessoria do parlamentar.
O canal mais talhado para o negócio do YouTube é o Joice Hasselmann TV. Com 937 mil inscritos e uma soma de 200 milhões visualizações de vídeos, o canal oferece até assinatura, ao preço de R$ 7,99 mensais. Quem assina se torna membro do canal e tem direito a "selos de fidelidade ao lado do seu nome em comentários e no chat ao vivo" e a "um bate-papo semanal exclusivo, olho no olho" com a parlamentar. Joice pagou R$ 27,5 mil à Agência EG, entre agosto de 2019 e maio de 2020, para serviços que incluem o YouTube, segundo as notas fiscais reembolsadas pela Câmara.
A deputada se recusou a falar sobre o assunto e a revelar quanto ganhou com a monetização. "Todos os gastos realizados pela deputada Joice Hasselmann em seu gabinete são diretamente relacionados com sua atividade parlamentar, inexistindo qualquer desvio de finalidade nos gastos realizados", afirmou sua assessoria.

No Paraná, Covid-19 mata duas vezes mais que acidentes de trânsito

Acidentes de trânsito ficaram menos letais que a Covid-19 no Paraná, pelo menos comparativamente

O número de mortes causadas pela Covid-19 no Paraná é mais que o dobro do total de óbitos registrados em ocorrências de acidente de trânsito no estado desde o dia 24 de março, quando o governo paranaense decretou estado de calamidade pública por conta da pandemia de coronavírus.
O levantamento foi feito com base nos dados do Informe Epidemiológico do Coronavírus, divulgado diariamente pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa); e com base também nas informações do Sistema Digital de Dados Operacionais do Corpo de Bombeiros do Paraná (SYSBM-CCB), que traz atualização em tempo real de ocorrências atendidas pelo Siate.
Em todo o Paraná, desde o final de março até ontem foram registradas 384 mortes em acidentes de trânsito, o que representa uma queda de 4% na comparação com o ano anterior, quando o Estado havia registrado 397 óbitos em ocorrências desse tipo. Um dos fatores que pode estar relacionado a essa redução, inclusive, é a menor circulação de pessoas em decorrência da necessidade de isolamento social.
O novo coronavírus, por sua vez, havia causado, até o boletim de ontem, 1.028 mortes no estado, número 167% superior ao de óbitos em acidentes de trânsito no período analisado. Somente no mês de junho foram 446 vítimas da Covid-19.
Já em Curitiba, a Secretaria Municipal de Saúde havia confirmado, também até ontem, 253 mortes pelo novo coronavírus, sendo 102 óbitos apenas em junho. Os bombeiros, por sua vez, registraram 147 mortes em acidentes de trânsito desde o dia 24 de março. Ou seja, o novo coronavírus matou, em Curitiba, 72% a mais do que os acidentes de trânsito.
Homicídios dolososOutro dado mostra o quão letal é a Covid-19. Neste fim de semana, o total de casos em Curitiba ultrapassou os casos de homicídios dolosos registrados em todo o ano passado. No boletim da Secretaria Municipal de Saúde de ontem, eram 253 mortes confirmadas pela Covid-19. O total de casos de homicídios dolosos em 2019 foi de 245, segundo os dados no relatório de 2019 do Centro de Análise, Planejamento e Estatística da Secretaria de Segurança Pública. 
No Estado, foram 1.780 homicídios dolosos em 2019, número ainda acima dos 1.028 casos de óbitos pela Covid-19 até o momento. Mas, na atual evolução, a doença tem muitas chances de superar esse número no Paraná.
Coronavírus já é uma das principais causas de morte
Entre os anos de 2014 ee 2018, último ano com dados disponíveis no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, o Paraná registrou uma média de 199 mortes por dia. As principais causas são neoplasias malignas (diversos tipos de câncer, com 38 casos por dia), seguido pelas doenças cerebrovasculares e as doenças isquêmicas do coração, cada uma com aproximadamente 17 casos por dia, segundo o estudo.
O coronavírus, por sua vez, fez uma média de 7,9 vítimas por dia no Paraná desde o dia 27 de março, quando o estado confirmou os dois primeiros óbitos por Covid-19. Em junho, essa média foi ainda maior, alcançando a marca de 14,87 mortes por dia, enquanto em julho o valor já saltou para 33,5.
Subnotificação — Segundo pesquisa divulgada no dia 7 de julho pela Associação Paulista de Medicina, 21,5% dos médicos dizem acreditar que o número de mortes provocadas pelo novo coronavírus é maior do que as estatísticas oficiais nacionais. Para 45,4%, o volume de casos é superior ao informado pelo Ministério da Saúde. A desconfiança é um pouco menor em relação aos dados das secretarias estaduais de saúde: 18,5% veem subnotificação dos óbitos e 37% da quantidade de casos. Os dados foram divulgados pela Agência Brasil.

segunda-feira, 13 de julho de 2020

Polícia encontra corpo no lago em que Naya Rivera sumiu; corpo é da atriz, diz site



A polícia de Ventura, na Califórnia, encontrou um corpo no lago em que a atriz Naya Rivera desapareceu. A informação foi divulgada pela corporação nesta segunda-feira (13).

A atriz está desaparecida desde a última quarta-feira (8) após passeio de barco com o filho. A polícia deve dar mais informações ainda nesta segunda. Segundo o site TMZ, o corpo encontrado é de Naya.

Sonares, câmeras e mergulhadores foram utilizados no Lago Piru, onde ela foi vista pela última vez. Um vídeo mostrou como a visibilidade, de uma câmera controlada remotamente, é baixa a 30 pés de profundidade — cerca de 9,1 metros.

Naya Rivera, de 33 anos, participou de seis temporadas da série “Glee”. O filho da atriz, de 4 anos, está bem e, segundo a revista People, está na companhia do pai, Ryan Dorsey.

Segundo autoridades, há muitas árvores e detritos no fundo do lago, fazendo com que nadadores e mergulhadores se enroscassem com facilidade.

Histórico do desaparecimento de Naya

Naya alugou um barco por volta das 13h do dia 8 de julho, e saiu para navegar com o filho de 4 anos. Joey foi encontrado pela polícia dormindo na embarcação e informou para as autoridades que mãe não retornou ao barco após mergulho.

Na quinta (9), a polícia do condado de Ventura afirmou que acredita que a cantora e atriz tenha morrido em um “trágico acidente”.

As autoridades também divulgaram vídeo com imagens da atriz deixando o carro na companhia do filho e entrando na embarcação horas antes de sumir durante mergulho.

G1

No Paraná, Covid-19 mata duas vezes mais que acidentes de trânsito



Bem Paraná – O número de mortes causadas pela Covid-19 no Paraná é mais que o dobro do total de óbitos registrados em ocorrências de acidente de trânsito no estado desde o dia 24 de março, quando o governo paranaense decretou estado de calamidade pública por conta da pandemia de coronavírus.

O levantamento foi feito com base nos dados do Informe Epidemiológico do Coronavírus, divulgado diariamente pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa); e com base também nas informações do Sistema Digital de Dados Operacionais do Corpo de Bombeiros do Paraná (SYSBM-CCB), que traz atualização em tempo real de ocorrências atendidas pelo Siate.

Paciente com suspeita de coronavírus foge de hospital



A Polícia Militar (PM) foi chamada para atender uma ocorrência em que um paciente com sintomas de Covid-19 havia deixado o Hospital de Toledo sem os devidos protocolos.  
O homem procurou a unidade hospitalar, alegando estar com tosse seca e com perda de paladar e olfato, mas quando foi informado que estava sob suspeita de coronavírus, recusou-se a seguir os procedimentos necessários. 
Além do mais, o homem se negou a assinar o termo de consentimento informado pelo médico sobre a necessidade de um isolamento domiciliar e também não houve possibilidade de ser feito o teste RT-PCR, para apuração do Covid-19. 
De acordo com o relato de testemunhas do hospital, o paciente também fazia ameaças verbais e ofensas à médica, ao segurança, e aos funcionários.
O boletim de ocorrência foi efetuado pelo art. 268 do código penal - Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa: Pena - detenção, de um mês a um ano, e multa -, como também anexado cópia de prontuário de atendimento médico e termo de consentimento de isolamento (com a recusa de assinatura).
O homem deverá responder criminalmente pela situação. A ocorrência foi encaminhada ao órgão competente. 
Com informações; Catve.

ARAPONGAS - Pacientes com Covid têm nomes divulgados na cidade



Uma lista de pessoas que foram infectadas com o novo coronavírus em Arapongas, no norte do Paraná, está circulando na internet. Além do nome dos pacientes, a lista possui o endereço, telefone, data em que receberam o resultado e o posto de saúde onde foram atendidos. A Prefeitura de Arapongas determinou no sábado (11), por meio da Secretaria Municipal de Saúde, que seja aberto um processo administrativo para apurar e punir os responsáveis pela divulgação dos dados sigilosos.

A denúncia partiu de uma moradora da cidade que teve a Covid-19, de acordo com ela, uma amiga para a qual ela não havia revelado que tinha contraído a doença perguntou se ela já havia se recuperado, pois ela havia visto seu nome nesta lista. A Secretaria de Saúde de Arapongas pediu desculpas pelo ocorrido e afirmou que irá apurar os profissionais responsáveis pelo vazamento da lista, os quais podem ser responsabilizados administrativamente e criminalmente.

A Prefeitura de Arapongas, informou neste sábado (11/07) que mais 02 casos de coronavírus (Covid-19) foram confirmados na cidade, totalizando 521 casos.

Com informações do Bem Paraná

Facebook estuda a proibição de anúncios políticos durante a campanha eleitoral de 2020



O Facebook está considerando proibir a publicidade política em sua rede antes das eleições gerais de novembro, nos Estados Unidos, segundo duas pessoas com conhecimento das discussões, depois de enfrentar intensa pressão por permitir que o discurso de ódio e a desinformação floresçam em todo o site –as famosas fake news, notícias falsas, que também atormentam no Brasil.

No Brasil, que também realizará as eleições municipais em novembro, em decorrência do coronavírus, o impulsionamento pago e a compra de palavras-chaves serão permitidos nas redes sociais (veja abaixo).

A decisão ainda não foi finalizada, disseram as pessoas, que falaram sob condição de anonimato porque as discussões eram confidenciais, e a empresa poderia continuar com sua atual política de publicidade política.

As discussões sobre o potencial banimento de anúncios políticos ferveram desde o final do ano passado, disseram eles, enquanto os participantes avaliavam a ideia enquanto procuravam grupos políticos e candidatos à reeleição.

Mas a questão veio à tona nas últimas semanas, com as eleições de novembro se aproximando e à medida que o Facebook lida com o escrutínio intensivo sobre o conteúdo postado em sua plataforma.

O núcleo do debate é se a proibição de anúncios políticos ajudaria ou prejudicaria “dar voz aos usuários”, disseram as pessoas com conhecimento das discussões.

A interrupção dos anúncios pode sufocar o discurso de alguns grupos, disseram eles, embora permitir a exibição de anúncios políticos também permita mais informações erradas que podem privar os eleitores.

Um porta-voz do Facebook se recusou a comentar essa possibilidade de proibição de anúncios políticos. O Bloomberg News relatou anteriormente a possível mudança na política.

Se uma proibição de anúncios políticos acontecesse, seria uma reversão para o Facebook e seu principal executivo, Mark Zuckerberg. A rede social há muito tempo permite que políticos e partidos políticos exibam anúncios em toda a sua rede praticamente desmarcados, mesmo que esses anúncios contenham falsidades ou outras informações erradas.

Zuckerberg disse repetidamente que não iria policiar os anúncios de políticos e afirmou que a empresa não era um árbitro da verdade porque ele acredita na liberdade de expressão. Ele também disse que a remoção de anúncios políticos da rede poderia prejudicar candidatos menores e com menos votos que são menos bem financiados do que políticos de destaque nacional. A publicidade política representa uma quantidade insignificante da receita do Facebook, ele disse, portanto qualquer decisão não se baseará em considerações financeiras.

Mas essa abordagem sem interferência levou a uma intensa reação contra a rede social. Legisladores, grupos de direitos civis e funcionários do Facebook o atacaram por deixar o discurso de ódio e desinformação apodrecer em seu site.

No mês passado, a campanha presidencial de Biden disse que começaria a pedir a seus apoiadores que exigissem que o Facebook reforçasse suas regras contra desinformação. Mais recentemente, anunciantes como Unilever e Coca-Cola pararam sua publicidade na plataforma em protesto.

Caixa faz depósito de até R$ 1.045 do FGTS nesta segunda.

caixa tem

Os trabalhadores da iniciativa privada que têm Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) — e que fazem aniversário em março — terão o valor de até R$ 1.045 referente ao 'FGTS emergencial' creditado nesta segunda-feira (13) em contas poupanças sociais digitais abertas pela Caixa Econômica Federal .

A nova modalidade de saque do FGTS liberada pela Caixa Econômica Federal, que pretende beneficiar cerca de 60 milhões de brasileiros, terá duas etapas: depósitos em conta, que são automáticos, e os saques. A primeira delas começa nesta segunda para os trabalhadores nascidos em março.

O calendário de depósitos nas contas digitais seguirá até 21 de setembro, quando serão contemplados os nascidos em dezembro. A espera pelo saque em espécie do FGTS dito emergencial pode durar até cinco meses , já que aniversariantes do último mês do ano só poderão sacar os valores a partir de 14 de novembro.

Limitado a R$ 1.045 , o saque pode ser feito de contas inativas (trabalhos anteriores) ou ativa (atual emprego), mas, independentemente da quantidade de contas e o valor disponível, o teto a ser sacado por uma pessoa é um salário mínimo, R$ 1.045. A consulta ao saldo do FGTS já está disponível e pode ser feita em fgts.caixa.gov.br ou por meio da central telefônica 111.

MPRJ não diz quem entregou R$8,5 milhões em operação que prendeu Edmar Santos

MPRJ não diz quem entregou R$8,5 milhões em operação que prendeu Edmar Santos

Em uma segunda nota de esclarecimento publicada em menos de 24 horas, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) disse que foram entregues espontaneamente R$ 8,5 milhões em espécie apreendidos na fase da Operação Mercadores do Caos deflagrada. 

O MPRJ não revelou o nome do investigado que indicou a localização do montante, que chegou a ser atribuído ao ex-secretário estadual de Saúde Edmar Santos, preso por suspeita de envolvimento com o esquema que teria fraudado contratos para a compra dos respiradores para atender pacientes com covid-19 no estado do Rio.

De acordo com o MPRJ, foram apreendidos 7 milhões em reais. E o restante estava em moeda estrangeira (dólar, euro e libra esterlina).

Uma fonte que participou da operação chegou a repassar ontem à imprensa que pelo menos R$ 6 milhões haviam sido encontrados em uma casa de Edmar Santos em Itaipava, distrito do município de Petrópolis (região serrana). Na primeira nota de esclarecimento, na noite de ontem, o MPRJ atribuiu a apreensão como resultado da iniciativa de um dos investigados de indicar localização da vultosa quantia em dinheiro. E ainda afirmou que apenas R$ 5 mil tinham sido encontrados em um dos endereços de Edmar Santos.

A quantia milionária terminou de ser contada na madrugada de hoje (11) com a ajuda de máquinas emprestadas pelo Banco do Brasil, na presença do investigado e de seu advogado.

O MPRJ também conseguiu, na sexta-feira, o arresto judicial de R$ 36,9 milhões em bens do ex-secretário Edmar Santos, que seria o valor supostamente desviado em três contratos.

No início de maio, o ex-subsecretário executivo da pasta, Gabriell Neves, já tinha sido preso por suspeita de envolvimento no esquema. Dias depois, Edmar Santos foi exonerado do cargo.

Santos, que é oficial médico da Polícia Militar, foi encaminhado ainda ontem à Unidade Prisional da PM fluminense. 


(Com informações da Agência Brasil)

Universidade russa anuncia sucesso em testes de vacina contra Covid-19



“A Universidade Sechenov concluiu com sucesso os testes em voluntários da primeira vacina contra o coronavírus do mundo”, disse Vadim Tarasov, diretor do Instituto de Medicina e Biotecnologias.

Os pesquisadores observaram que os resultados em dois grupos de voluntários comprovam a segurança do medicamento. “A Universidade Sechenov concluiu com sucesso os testes em voluntários da primeira vacina contra o coronavírus do mundo”, disse Vadim Tarasov, diretor do Instituto de Medicina e Biotecnologias, à agência Sputnik.

O cientista confirmou que os membros do primeiro grupo de voluntários receberão alta no dia 15 de julho e os do segundo no dia 20 de julho. Aleksandr Lukashev, diretor do Instituto de Parasitologia e Doenças Tropicais e Transmissíveis da Universidade Sechenov, enfatizou a segurança da nova vacina.

“Esta etapa mostrou que a segurança da vacina […] está em pé de igualdade com a de outras vacinas no mercado”, disse ele.

Médica bolsonarista é afastada do Hospital Albert Einstein por citação nazista



A médica Nise YamaguChi, também conhecida como Doutora Cloroquina, foi afastada do Hospital Albert Einstein em São Paulo.

Ela defende o uso da Cloroquina para tratamento da Covid-19 e muita gente simpática ao bolsonarismo inferiu erroneamente que esse fosse o motivo do seu afastamento. Mas não foi.

O real motivo foi uma fala infeliz da médica. Ela disse: “Você acha que alguns poucos militares nazistas conseguiriam controlar aquela MASSA DE REBANHO de judeus famintos se não os submetessem diariamente a humilhações, humilhações, humilhações…”.

Trump aparece com máscara facial em público pela 1ª vez

Trump aparece com máscara facial em público pela 1ª vez

Após mais de 3 milhões de casos e 130 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump se deixou fotografar pela primeira vez em público usando uma máscara facial. O mandatário apareceu com o equipamento de proteção durante uma visita a um hospital militar perto da Casa Branca, na noite deste sábado (11), onde ele se encontrou com pacientes e operadores sanitários.

“Eu nunca fui contra as máscaras, mas acredito que existam hora e lugar certos para usá-las”, disse Trump. Em maio passado, no entanto, ele chegou a zombar de Joe Biden, seu rival nas eleições de 2020, por utilizar o dispositivo, compartilhando no Twitter uma imagem que ironizava a aparência do democrata.

“Acho que quando você está em um hospital, quando você está falando com muitos soldados e pessoas que, em alguns casos, acabaram de sair da mesa de cirurgia, acho que é uma grande coisa usar uma máscara”, acrescentou Trump neste sábado.

A mudança de tom ocorreu no mesmo dia em que os Estados Unidos registraram um novo recorde de casos do coronavírus em 24 horas: 66.528, de acordo com a Universidade Johns Hopkins. O país tem agora cerca de 3,25 milhões de diagnósticos positivos e 134,8 mil mortes na pandemia. (ANSA)

Senadora Leila confirma que contraiu covid-19 e deseja força a quem luta contra doença

Senadora Leila propõe mais proteção a torcedoras em locais esportivos

Dona de dois bronzes olímpicos, Leila Barros, ex-jogadora de vôlei e atual senadora pelo PSB do Distrito Federal, declarou ontem (11) no seu perfil no Instagram, que contraiu o novo coronavírus (covid-19). Neste domingo (12), a Leila do Vôlei usou as redes sociais para agradecer pela solidariedade recebida e desejar força a quem luta contra doença.

“De ontem para hoje recebi inúmeras mensagens de carinho e solidariedade aqui nas redes sociais. Gostaria de agradecer a todos que dedicaram parte do seu dia para me desejar melhoras. Essa rede de energia positiva que se formou me enche de disposição. Tenho fé que, em breve, estarei recuperada. Faço minhas preces para que todos que lutam contra essa doença tenham força neste momento. Um bom domingo a todos!”, escreveu a medalhista olímpica nos Jogos de 1996, em Atlanta (EUA), e de 2000, em Sydney (Austrália).

Segue a íntegra do comunicado divulgado ontem: “Após apresentar febre e dores no corpo, a senadora Leila Barros fez o exame RT-PCR que atestou positivo para covid-19. Os exames de imagem não detectaram alterações nos pulmões. Embora esteja confiante na plena recuperação, a parlamentar do DF apresenta indisposição devido à forte dor de cabeça. Leila cumprirá o isolamento domiciliar conforme orientação médica”. 


(Com informações da Agência Brasil)

Reservas venezuelanas de petróleo estão cada vez mais nas mãos dos russos

Ditador expulsa principal diplomata dos EUA da Venezuela

As reservas de petróleo da Venezuela estão cada vez mais sob controle russo. Com o país fragilizado pelas sanções dos Estados Unidos e a produção reduzida ao menor nível histórico, o presidente Vladimir Putin, esperto, ofereceu “solidariedade” e fez a petroleira russa Rosneft liberar muito dinheiro ao regime de Nicolás Maduro mediante garantias como a refinaria Citgo, principal joia da coroa da PDVSA, petroleira venezuelana.

O empréstimo da russa Rosneft à venezuelana PDVSA constituiu a compra, na prática, de 49,9% da refinaria Citgo ao final do acordo.

O acordo com os russos prevê pagamentos em petróleo, cuja venda corresponde a 99% de toda a renda da Venezuela com exportações.

Em 2019, enquanto os russos multiplicavam seus lucros, o PIB da Venezuela caiu 35%, ainda sem levar em conta os efeitos da pandemia.

domingo, 12 de julho de 2020

Morreu o ex deputado Nelson Meurer



Meurer estava internado com covid-19, ontem ele teve agravantes e foi entubado, mas na manhã deste domingo(12) não resistiu.

Foi deputado federal, de 1995 até 2018, inicialmente pelo PPB e em 2003 pelo PP. Com o fim do mandato de deputado federal em 2018, Meurer não se candidatou para a reeleição ou para outro cargo mas eleições de outubro de 2018.

Em 14 de junho de 2016, apoiou o deputado Eduardo Cunha votando contra a sua cassação no comitê de ética da Câmara dos Deputados. Na votação em plenário, que cassou o mandato de Cunha, em setembro de 2016, se absteve de votar.

Durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.

Em abril de 2017 foi favorável à Reforma Trabalhista.

Em 2 de agosto de 2017, na votação sobre a admissibilidade da denúncia de corrupção passiva em desfavor do presidente Michel Temer, assinada pela PGR, votou pelo arquivamento.

Com o fim do mandato de deputado federal em 2018, Meurer não se candidatou para a reeleição ou para outro cargo mas eleições de outubro de 2018.

Paraná passa dos 40 mil casos e tem 999 mortes de Covid-19



A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 38 pacientes no Paraná. Todos estavam internados. São 14 mulheres e 24 homens, com idades que variam de 35 a 89 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 25 de junho a 11 de julho. Os pacientes que faleceram residiam em: Cascavel (2), Curitiba (18), Londrina (2), além de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Almirante Tamandaré, Califórnia, Cambé, Campo Largo, Colombo, Congonhinhas, Engenheiro Beltrão, Fazenda Rio Grande, Itaperuçu, Jacarezinho, Maringá, Ponta Grossa, Telêmaco Borba, Terra Boa, Tibagi e Toledo.

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste sábado (11) 1.265 novas confirmações e 38 mortes pela infecção causada pelo novo coronavírus. O Paraná soma 40.329 casos e 999 mortos em decorrência da doença. Há ajustes nos casos confirmados detalhados ao final do texto.

Processos contra Beto Richa voltam à justiça comum



O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná devolveu para a justiça comum processos da Operação Quadro Negro, nos quais o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) é réu. A operação investiga desvios de pelo menos R$ 20 milhões em obras de escolas públicas no Estado.

Segundo o G1 Paraná, a decisão é do juiz Guilherme de Paula Rezende, que determinou o arquivamento de possível crime eleitoral e declinou a competência para julgamento dos processos. Quatro processos dessa investigação que apura crimes entre 2012 e 2015 haviam sido enviados em março último à Justiça Eleitoral por determinação da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR).

Na época, os desembargadores acataram o pedido da defesa do ex-governador, acusado de crimes como corrupção a lavagem de dinheiro. Na Justiça Eleitoral, em geral, as penas são mais brandas do que na comum.

Presidente do STJ negou prisão domiciliar a doentes e idosos

Presidente do STJ, João Otávio de Noronha

Ao conceder a prisão domiciliar ao ex-assessor Fabrício Queiroz, anteontem, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, deu, como justificativa, a saúde debilitada do investigado e o risco causado a ele pelo novo coronavírus. Nos últimos meses, no entanto, Noronha negou o benefício a outros presos provisórios, ou seja, que não foram condenados ainda, como idosos e grávidas que também alegaram problemas de saúde e a pandemia em seus habeas corpus.

Assim como o habeas corpus de Queiroz, esses outros pedidos de prisão domiciliar se basearam em uma recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que orienta a reavaliação das prisões provisórias priorizando-se: pessoas do grupo de risco, presos em penitenciárias com superlotação e casos de prisões preventivas que tenham excedido 90 dias.

Ex-funcionário do antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Queiroz é apontado pelo Ministério Público (MP) como operador de um esquema de apropriação do salário de outros servidores, a "rachadinha". Preso no último dia 18 por decisão da Justiça do Rio, ele não havia deixado o presídio de Bangu 8 até a conclusão desta edição. No habeas corpus, Noronha também concedeu habeas corpus para a mulher de Queiroz, Márcia Oliveira de Aguiar, foragida há mais de 20 dias.

Especialistas em Direito Penal criticaram a medida, alegando que, como Márcia não foi localizada pela polícia, é impossível saber se seu estado de saúde é realmente preocupante. Em março, ao negar habeas corpus da Defensoria Pública do Ceará em nome de presos provisórios que fazem parte do grupo de risco da covid-19, o presidente do STJ alegou que não havia como conceder a liberdade sem que fosse primeiro analisada a condição individual de cada preso.

Ao negar a liminar, Noronha afirmou que a tarefa de checar a saúde dos presos cabia aos juízes de execução penal, na primeira instância. O habeas corpus atingia, principalmente, grávidas e idosos.

Em 29 de abril, Noronha negou o pedido de revisão da prisão de um empresário chinês de quase 60 anos que alegou problemas cardíacos. Ele foi preso preventivamente durante operação da Polícia Civil de São Paulo que identificou o desvio de aproximadamente 15 mil testes para covid-19. O habeas corpus inicial foi encaminhado ao Tribunal de Justiça de São Paulo, que também negou o pedido.

Para o criminalista Conrado Gontijo, doutor em direito penal pela USP, Noronha acertou ao mandar Queiroz para a prisão domiciliar, mas o STJ deveria rever casos anteriores que foram negados. "Em muitos outros casos semelhantes, o STJ negou a liberdade aos presos enfermos e idosos. Parece-me importante que esses casos sejam revistos", afirmou.