terça-feira, 24 de novembro de 2020

Apresentador e jornalista Fernando Vanucci morre aos 69 anos em São Paulo


 












O apresentador e jornalista Fernando Vanucci morreu aos 69 anos, em Barueri, na Grande São Paulo, na tarde desta terça-feira (24). Vanucci deixa quatro filhos.

Segundo Fernandinho Vanucci, filho do apresentador, em 2019, o jornalista colocou um marcapasso. Nesta manhã, ele estava em casa, passou mal e foi levado para o hospital.

De acordo com informações da Guarda Civil Municipal de Barueri e do filho do apresentador, Vanucci foi levado ao Pronto-Socorro central da cidade, onde morreu.

No ano passado, Vanucci sofreu um infarto e ficou internado no Hospital Oswaldo Cruz, onde passou por uma angioplastia coronária.

Nascido em Uberaba, Vanucci começou a trabalhar em rádio ainda adolescente. Na década de 70, começou na TV Globo, em Minas Gerais, e depois foi transferido para a Globo do Rio de Janeiro. Na Globo, apresentou jornais como o Globo Esporte, RJTV, Esporte Espetacular, Gols do Fantástico, entre outros.

Desde 2014, ele atuava como editor de esportes na Rede Brasil de Televisão.

G1

Adolescente desaparecida em Ivaiporã é encontrada















 A adolescente de 13 anos que estava desaparecida em Ivaiporã foi encontrada na noite de segunda-feira (23) e está bem, diz familiares.   

Amanda Beatriz, tinha saído da residência na Vila Santa Maria por volta das 18h30 de domingo (22) e não deu mais notícias

Desde de então, familiares fizeram apelos por meio das redes sociais.

A motivação para o desaparecimento não foi revelada. A família agradece pelas orações e compartilhamentos.

Ocupação de leitos para Covid-19 ultrapassa 100% no Providência


 














Pela segunda vez, no período de uma semana, a ocupação de leitos para Covid-19 na enfermaria do Hospital da Providência, em Apucarana, ultrapassou 100%.

De acordo com o boletim diário de ocupação divulgado pela 16ª Regional de Saúde (RS) de Apucarana, 17 pacientes estão internados hoje com a doença, enquanto existem 15 leitos disponíveis para o coronavírus. Na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), a ocupação chegou a 80% nesta segunda-feira (27)

Em Arapongas, a enfermaria do Hospital Norte do Paraná (Honpar) para Covid-19 está com 40% da lotação. A UTI do Honpar também tem 80% de lotação.

Ladrões invadem empresa na PR-466 e furtam grande quantidade de veneno















 Na madrugada de segunda-feira (23), por volta das 3 horas, uma empresa de insumos agrícolas na PR-466 em Borrazópolis foi alvo de ladrões. Foi furtado uma grande quantidade de veneno que estava armazenado em um barracão.  

A equipe foi acionada para deslocar ao endereço, onde o solicitante informou que recebeu ligação do centro de monitoramento que o alarme da empresa teria disparado.  

 Um funcionário da empresa relatou que viu uma pessoa de longe na porta do barracão de venenos e que logo após um veículo vermelho saiu sentido ao centro de Borrazópolis.

Na empresa, os policiais constataram o arrombamento do cadeado do portão dos fundos da empresa, arrombamento na porta do barracão e de um contêiner. Uma central de alarme também foi arrancada da parede.

Foram levados da empresa aproximadamente 400 quilos de veneno Elatus e vinte caixas de veneno Priori Xtra.

A guarnição fez patrulhamento pela cidade, porém não logrou êxito em abordar nenhum suspeito.  

PF cumpre mais de 200 mandados em investigação contra tráfico de drogas

 

A Polícia Federal cumpre nesta 2ª feira (23.nov.2020) mandados da operação Enterprise, considerada a maior operação do ano no combate à lavagem de dinheiro do tráfico de drogas e uma das maiores da história na apreensão de cocaína nos portos brasileiros. Investiga uma organização criminosa especializada no envio de cocaína para a Europa.

Ao todo, estão sendo cumpridos 215 mandados judiciais, sendo 66 de prisão e 149 de busca e apreensão. Os mandados são cumpridos em cidades de Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Bahia e Pernambuco.

Segundo a Receita Federal, 8 mandados também estão sendo cumpridos na Espanha, na Colômbia, em Portugal e nos Emirados Árabes Unidos.

Entre as medidas judiciais também foi determinado o bloqueio de R$ 400 milhões em bens dos investigados por narcotráfico. Todas as decisões foram expedidas pela 14ª Vara Federal de Curitiba.

Além disso, foram expedidas difusões vermelhas na Interpol para a prisão de 8 investigados que estão no exterior, bem como a identificação e sequestro de bens em outros países.

De acordo com a Receita Federal, as investigações tiveram início a partir de uma apreensão realizada em setembro de 2017, quando 776 quilos de cocaína que estavam sendo exportados pelo Porto de Paranaguá com destino ao Porto de Antuérpia, na Bélgica, foram apreendidos. A partir dessa apreensão, a PF instaurou 1 inquérito policial e os 2 órgãos públicos atuaram em conjunto nas investigações até descobrir a organização criminosa.

Segundo a PF, a investigação durou mais de 2 anos e aponta que os 2 portos mais usados pelos traficantes eram os de Santos, no litoral paulista, e de Paranaguá, no litoral do Paraná. A droga, ainda de acordo com as as investigações, era enviada, em grande parte, para a Europa.

As apurações indicam que os criminosos fazem lavagem de bens e ativos multimilionários no Brasil e no exterior com uso de várias pessoas interpostas (laranjas) e empresas fictícias, a fim de dar aparência lícita ao lucro do tráfico. Durante a investigação do caso foram anteriormente apreendidas 50 toneladas da droga nos portos do Brasil, da Europa e da África.

Segundo a PF, esta é a maior operação do ano em sequestro patrimonial, consubstanciados em aeronaves, imóveis e veículos de luxo, havendo a expectativa de que novos bens sejam identificados após o cumprimento dos mandados de busca e apreensão.

O nome da operação faz alusão à dimensão da organização criminosa investigada, que atua como 1 grande empreendimento internacional na lavagem de dinheiro e exportação de cocaína, o que, segundo a PF, trouxe alto grau de complexidade à investigação policial.

Ao todo, 670 policiais federais e mais 30 servidores da Receita Federal participam da ação.

Carrefour reabre loja onde João Alberto foi morto, em Porto Alegre

 


A unidade do Carrefour em que João Alberto de Freitas, um
homem negro de 40 anos, foi espancado e morto por 2 seguranças brancos abriu as portas pela 1ª vez nesta 2ª feira (23.nov.2020). 

A loja estava fechada desde a última 6ª feira (20.nov.2020).A loja reabriu às 8h, e uma hora antes o estacionamento foi liberado para clientes acessarem o local.

João Beto morreu no estacionamento do supermercado na noite da última 5ª feira (19.nov.2020), véspera do Dia da Consciência Negra. Foram presos pelo crime duas pessoas que atuavam na vigilância da loja: o policial militar temporário Giovane Gaspar da Silva, de 24 anos, e o segurança Magno Braz Borges, de 30.

O crime está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Porto Alegre. A polícia vai analisar as imagens do vídeo postado nas redes sociais e também de câmeras de segurança do local.

A delegada Roberta Bertoldo afirmou na última 6ª feira (20.novo) que a tomada dos depoimentos de todos os que “assistiram passivamente” ao crime seria retomada nesta 2ª feira (23.nov). A conduta dessas pessoas também será investigada.

Em depoimento prestado no sábado (21.nov.2020), obtido e divulgado pelo Fantástico, programa da TV Globo, a funcionária que foi abordada no supermercado por João Alberto disse que o homem “parecia estar furioso com alguma coisa”.

A morte de João Beto provocou indignação em todo o país e repercutiu na mídia internacional. Diversos protestos foram realizados. Autoridades e instituições manifestaram repúdio ao crime e ao racismo. Assista aos vídeos da morte de João Beto e as reações ao assassinato.

Nesta 2ª feira (23.nov), a Ambev (Companhia de Bebidas das Américas) cobrou “medidas imediatas e efetivas” da rede de supermercados Carrefour em razão da morte de João Alberto. Em nota publicada nas redes sociais neste fim de semana, a produtora de bebidas, líder em seu segmento, afirmou “não tolerar qualquer ato de racismo ou violência“.

A Ambev disse ainda estar comprometida a “ajudar a criar mudanças positivas” e a “trabalhar junto” com o Carrefour para “promover mudanças estruturais com urgência”.

Dose da vacina da Moderna deve custar de R$ 134 a R$ 199 para os governos


 











Em entrevista para o jornal alemão Welt am Sonntag neste domingo (22), o presidente executivo da Moderna disse que o preço de cada dose da potencial vacina contra Covid-19 da farmacêutica vai depender da quantidade de doses que cada governo comprar.

A Moderna pretende cobrar entre US$ 25 (R$ 134) e US$ 37 (R$ 199) por dose. Quanto maior o pedido que o governo fizer, menor será o preço de cada dose.

A vacina da Moderna contra a Covid-19 precisa de duas aplicações para garantir um alto índice de eficácia. Dessa maneira, o custo para imunizar cada pessoa será entre US$50 (R$270) e US$ 74 (R$400).

O grupo está conversando com a União Europeia e está prestes a fechar um acordo com o bloco para o fornecimento de milhões de doses da vacina. Além da Moderna, o bloco fechou acordos de fornecimento com outros quatro desenvolvedores de vacina, a fim de chegar em um total de 1 bilhão e 200 milhões de doses de imunizações contra o novo coronavírus.

A Moderna chegou a anunciar que sua vacina, a mRNA-1273, obteve uma taxa de 94,5% de eficácia na prevenção da Covid-19.

CNN BRASIL

Guedes relata resistência dentro do governo para avançar com privatizações

 

O ministro Paulo Guedes (Economia) disse nesta 2ª feira (23.nov.2020) que havia resistência dentro do governo à venda de estatais. Afirmou que parte da equipe ministerial não compreendia a importância das privatizações para reduzir a dívida pública.

Sem ter privatizado nenhuma empresa em 2 anos de governo, Guedes disse em videoconferência que vai partir para o “ataque“ nos próximos 2 anos para promover o programa de desestatização. Disse que a pauta não avança atualmente no Congresso porque há 1 acordo para bloquear o andamento de projetos relacionados ao tema.

“As coisas são entregues, mas tem a política, que às vezes anda e às vezes não anda. Às vezes bloqueia. Atrasou 1 pouco a administrativa. Perturbou bastante a tributária. Impediu as privatizações. Estou convencido hoje de que havia 1 acordo político de centro-esquerda para não pautar. E dentro do governo tem resistências em alguns ministérios. Todo ministro gosta de alguma empresa que está embaixo do ministério dele”, afirmou Guedes em live.

O ministro disse que “ninguém entregou tanto em tão pouco tempo” como o governo Bolsonaro. Deu como exemplo o acordo entre o Mercosul e a União Europeia. O projeto, no entanto, ainda não foi ratificado pelos países europeus.

“A reforma da Previdência: entregue. Os leilões de petróleo da cessão onerosa, que estavam parados há 7 anos: entregue. A reforma administrativa: entregue. O Pacto Federativo: entregue”. Essas duas últimas reformas citadas por ele, no entanto, nem sequer foram votadas no Congresso.

O ministro classificou de “narrativas” as críticas à agenda econômica. Disse que a equipe não pode “ficar o dia inteiro” explicando as ações da pasta.

Barroso diz que “milícias digitais” são “versão contemporânea do autoritarismo”

 

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Luís Roberto Barroso, disse nesta 2ª feira (23.nov.2020) que “milícias digitais” na internet são uma “versão contemporânea do autoritarismo” e buscam destruir as instituições democráticas.


Segundo Barroso, mesmo em países democráticos há hoje 1 “esforço para desacreditar o processo eleitoral”. Para o ministro, os ataques ao processo eleitoral que ocorrem em alguns países, como no Brasil, são 1 desdobramento da ação de quem quer a “desdemocratização”. Em exemplo, ele ainda citou o resultado da eleição presidencial dos Estados Unidos, que vem sendo contestada pelo presidente norte-americano Donald Trump, que foi derrotado pelo democrata Joe Biden.

“Uma versão contemporânea do autoritarismo são essas milícias digitais que atuam na internet, procurando destruir as instituições e golpeá-las, criando 1 ambiente propício para a desdemocratização”, disse o magistrado durante o lançamento de 1 curso de Direito.

“E com muita frequência, muitas vezes, mesmo nas democracias, há 1 esforço de desacreditar o processo eleitoral, quando não favoreça essa crença. É o que hoje se observa, segundo alguns autores, nos Estados Unidos, com a recusa de aceitação do resultado que já parece definido”, completou.

Barroso também citou o populismo e o conservadorismo radical como fenômenos que buscam acabar com a democracia. Em crítica oblíqua ao presidente Jair Bolsonaro e aos apoiadores do governo, o ministro afirmou que as redes sociais têm sido usadas para atacar a imprensa e instituições e tirar direitos de quem pensa diferente.

“O conservadorismo radical, que não se confunde com o conservadorismo –que é uma opção política perfeitamente legítima–, eu me refiro ao conservadorismo radical que se manifesta pela intolerância, pela agressividade, procurando negar e retirar direitos de quem pensa diferente, além de contrariarem os consensos científicos em matérias diversas desde o aquecimento global até a vacinação”, declarou.

“Quem já viveu uma ditadura aqui sabe, só quem não sabe é a sombra que não reconhece a luz. Precisamos utilizar a internet para o bem, para aumentar as possibilidades de participação popular e enfrentar as milícias digitais e os terroristas da rede social com seus hackers e seus difusores de mentiras, pois isso não é parte da democracia.”

O ministro também elogiou a realização do 1º turno das eleições municipais. Disse que o índice de abstenção, de 23%, foi baixo para 1 pleito disputado em meio à pandemia. Ele celebrou o fato de o resultado ter saído no mesmo dia, apesar do problema operacional que atrasou a apuração.

“Conseguimos fazer uma eleição, evitamos uma prorrogação, adiamos para 1 momento em que foram feitas com mais segurança, conseguimos que o plano de segurança fosse observado e que não houvesse disseminação da doença, conseguirmos uma abstenção bem baixa, de 23%, conseguimos controlar as fake news, divulgar o resultado no mesmo dia e as pessoas só falam que teve 1 problema operacional no computador e atrasou duas horas e 50 minutos”, disse o ministro.

Com derrota de Trump e estratégia errada nas eleições, militares recomendam moderação a Bolsonaro

 

Integrantes do Palácio do Planalto e do núcleo militar do governo avaliam que a derrota de Donald Trump nos Estados Unidos e o resultado das eleições serviram como recados ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e indicam que ele terá de fazer adaptações para triunfar nas urnas em 2022.

O principal aprendizado, avaliam fardados, é que a população passou a rejeitar extremos, e discursos inflamados em relação à pandemia podem levar a queda de popularidade.

A análise de aliados de Bolsonaro é que a postura de Trump durante a crise sanitária foi decisiva para sua derrota.

Por isso, Bolsonaro deveria abandonar ou ao menos moderar discursos como o de que o Brasil precisa deixar de ser “um país de maricas”, sob pena de perder apoios até mesmo dentro das Forças Armadas.

No lugar de fazer acenos à base mais ideológica de seus eleitores, o principal objetivo do presidente deve ser, pregam auxiliares próximos, trabalhar para aprovar medidas no Congresso que movimentem a economia e façam o Brasil reagir à crise causada pela pandemia.

A chave para a reeleição, afirmam assessores presidenciais e políticos experientes no Congresso, estará na economia.

Além da derrota de Trump para o democrata Joe Biden, não reconhecida nem pelo presidente nem pelo Itamaraty, a eleição municipal teve como grandes vencedores os partidos de centro e centro-direta.

O MDB foi o líder no ranking de prefeituras obtidas por partido. Já PP e PSD, duas siglas do chamado centrão, e DEM foram as que mais ascenderam em número de municípios governados pelo país.

Em outra frente, o pleito mostrou encolhimento do PSDB e do PT pelo país e também aponta o relativo fracasso do PSL, sigla pela qual Bolsonaro se elegeu presidente.

O próprio presidente viu a maioria dos candidatos que apoiou fracassar no pleito.

Nas grandes cidades, apenas Marcelo Crivella (Republicanos), no Rio de Janeiro, e Capitão Wagner (Pros), em Fortaleza, foram para o segundo turno.

Essa derrota reforçou no Planalto a avaliação de que o discurso radical está perdendo espaço na população e, por isso, aconselham Bolsonaro a moderar o tom.

FOLHAPRESS

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Servidores da rede estadual fazem novo protesto em Curitiba e pedem saída de secretário da Educação do Paraná


 















Servidores da rede estadual de ensino do Paraná protestam nesta segunda-feira (23) próximo ao Palácio Iguaçu, sede do governo do estado, em Curitiba. Eles pedem a saída do secretário de educação do Paraná, Renato Feder.


Os manifestantes saíram por volta das 10h30 da Praça 19 de Dezembro, no Centro Cívico, e caminharam até o local com faixas de protesto e acompanhados por um carro de som. Uma faixa da Avenida Cândido de Abreu foi ocupada.

Eles também exigem a revogação do edital de contratação de profissionais temporários pelo Processo Seletivo Simplificado (PSS) e da terceirização dos funcionários de escolas, segundo o Sindicato dos Trabalhadores de Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato).

Em nota publicada no começo da tarde desta segunda (23), a Secretaria de Educação e de Esporte do Paraná (Seed) confirmou a realização da prova do PSS.

A Seed afirmou ainda que não se pronunciará sobre o pedido de saída do secretário. Segundo o governo, a exoneração de Renato Feder não está na pauta de negociações.

Outras manifestações de profissionais da educação contra as contratações por meio do PSS já haviam sido registradas em Curitiba. Na última quinta-feira (19), servidores entraram em greve de fome em frente ao Palácio.

De acordo com a APP-Sindicato, os profissionais já estão no quinto dia da greve.

A negociação das demandas da categoria acontece com a Casa Civil e não há reunião marcada com representantes do governo, segundo a APP-Sindicato.

Provas do PSS

As inscrições para a prova do Processo Seletivo Simplificado encerram nesta segunda (23), às 18h. Até o fechamento desta reportagem, são mais de 35 mil candidatos inscritos segundo a Seed.

Para o processo seletivo, será aplicada uma prova de conhecimento da área em que o candidato se inscrever. Também fazem parte da seleção a prova de títulos e o tempo de serviço.

Não haverá a prova de redação e banca, como originalmente planejado. A decisão pela não utilização desses formatos de avaliação foi tomada após discussão com os professores.

Cada candidato pode se inscrever em apenas um Núcleo Regional de Educação (NRE), podendo optar por até dois municípios do núcleo. Na sequência, poderá escolher uma ou duas funções, disciplinas, áreas do conhecimento ou eixos da educação profissional.

As provas serão em 13 de dezembro, nas cidades-sede dos núcleos regionais. No dia da avaliação, serão adotadas normas de prevenção da Covid-19.

Homem é preso suspeito de matar cunhada a facadas em Cascavel, diz Polícia Civil


 




















Um homem foi preso suspeito de matar a facadas a cunhada, de 26 anos, na noite de sábado (21), em Cascavel, no oeste do Paraná.

De acordo com a Polícia Civil, os dois estavam em uma reunião familiar no Jardim Quebec quando o crime aconteceu.

A polícia foi chamada e prendeu o homem próximo do local do crime. Ele foi levado para a Delegacia de Cascavel.

Mayara Cristina da Silva faria 27 anos no próximo sábado (28).

A vítima deixou três filhos, dois meninos, de quatro e nove anos, e uma menina de sete anos.

O corpo da vítima foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML).

A polícia investiga o caso.

Jovem morre afogado no Salto do Bulha na divisa de Ivaiporã e Arapuã


 












Um jovem 33 anos morreu afogado na tarde deste domingo (22) no Salto do Bulha, que fica localizado na divisa dos municípios de Ivaiporã e Arapuã.

Conforme informações de populares, ele teria se afogado e resgatado por pessoas que estavam no local, sendo então acionado o Corpo de Bombeiros e Samu. O helicóptero do serviço aeromédico também esteve no local.

Sendo constatado o óbito, o corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Ivaiporã. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil de Ivaiporã.

Ministério da Saúde possui acordos para acesso a 142 milhões de doses de vacina


 











O Brasil alcançou a previsão de acesso a 142,9 milhões de doses de vacina contra covid-19 em acordos contratuais, informou o Ministério da Saúde neste domingo (22). Na última semana, a pasta realizou encontros com cinco laboratórios farmacêuticos que desenvolvem vacinas – Pfizer, Janssen, Bharat Biotech, Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) e Moderna. Os acordos foram complementadas reuniões realizadas entre os técnicos do governo e os representantes dos laboratórios.

Os laboratórios já aderiram ou estão pleiteando adesão ao consórcio internacional de vacinas (Covax Facility).

Nos encontros, a pasta buscou informações sobre o desenvolvimento dessas vacinas, sua segurança e eficácia, além de aspectos logísticos para operacionalizar sua distribuição.

A Saúde agora deverá assinar cartas de intenção não-vinculantes com as empresas para permitir uma futura aquisição de doses, conforme o escalonamento de entrega oferecido e após cumpridos os devidos protocolos, tais como o registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o estabelecimento de preço máximo pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos e a recomendação de incorporação pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec).

Segundo o ministério, série de premissas precisa ser analisada antes da compra – como a segurança; a eficácia; a capacidade de produção em escala; a oferta em tempo oportuno para inserir as vacinas no Programa Nacional de Imunizações (PNI); o preço proposto para a incorporação; as condições logísticas oferecidas e a aprovação pela Anvisa.

O Ministério da Saúde esclarece que a definição dos grupos prioritários a serem vacinados dependerá dos resultados finais dos estudos de fase III das vacinas, os quais deverão confirmar a segurança e eficácia para cada grupo a ser considerado. Quando a vacinação ocorrer, ela deverá ser voluntária. O governo afirma que segue acompanhando 270 estudos de vacinas no mundo.

R7

Deputado Osmar Terra é internado com covid-19, em Porto Alegre


 















ex-ministro da Cidadania e deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) foi internado neste domingo (22.nov.2020) no HSL (Hospital São Lucas da PUCRS), em Porto Alegre (RS). Segundo a unidade de saúde, o congressista está realizando exames. Terra anunciou que estava com covid-19 em 13 de novembro.

O congressista tem quadro clínico estável e seguirá em observação. Não há previsão de saída. Terra publicou no Twitter que está “fazendo exames de avaliação e fisioterapia complementar no tratamento da covid-19, […] visando acelerar volta ao trabalho o mais breve possível”.

À época do anúncio do diagnóstico, Terra disse que estava “bem e sem sintomas”, além de já ter começado a tomar hidroxicloroquina e ivermectina.

Osmar Terra foi ministro da Cidadania do governo Bolsonaro até fevereiro deste ano, quando foi substituído por Onyx Lorenzoni. O ex-ministro minimizou a pandemia em diversos momentos. Também fez previsões sobre o comportamento do vírus sem lastro na realidade.

PODER 360

Brasil integra restrito grupo de países que mais publicaram estudos sobre a covid desde o início da pandemia

 


O Brasil integra o restrito grupo de países que mais publicaram estudos sobre a covid-19 desde o início da pandemia. Até 17 de outubro, houve 168.546 publicações científicas relacionadas à doença em todo o mundo. Dessas, 4.029 são assinadas por pesquisadores que trabalham no País. O número deixa a produção brasileira na décima primeira posição no ranking mundial. Fica à frente do produzido por Holanda, Suíça e Japão.

As informações constam de levantamento feito pela Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica, a pedido da pró-reitoria de pesquisa. Utiliza dados da plataforma Dimensions, uma base de dados internacional com atualização diária. Segundo o pró-reitor de Pesquisa da USP, Sylvio Canuto, os números confirmam a tendência de bom desempenho da produção científica brasileira.

“A ciência brasileira se desenvolveu muito. Estamos em um estágio de desenvolvimento muito bom. Nos últimos cinco anos, o Brasil vem aparecendo como o 13º país do mundo que mais publicou artigos científicos e revisões de pesquisa”, afirmou Canuto. “Neste ano, em um período de oito meses, os pesquisadores brasileiros conseguiram melhorar sua performance no caso específico da covid-19.”

Os números do Brasil mostram que entre as publicações sobre covid-19, a maior parte foi de artigos científicos (3.542) e preprints, versões prévias dos trabalhos (468). A maioria é de ciências médicas e da saúde (2.204). Mas há também produção de outras áreas. São artigos sobre ciências biológicas (207) e sociologia (183).

Entre os pesquisadores residentes no Brasil, os dois que mais publicaram artigos trabalham na Fiocruz. São a virologista Marta Giovanetti, da (26 publicações), e o infectologista Júlio Henrique Rosa Croda (20). Os dois também lideram em número de citações. Tiveram 633 e 475 menções, respectivamente.

“Trabalhamos sem parar, no Brasil e na Itália, foi muito cansativo”, conta Marta Giovanetti. Ela é italiana e trabalha no Laboratório de Flavivírus do Instituto Oswaldo Cruz. “Caracterizamos os primeiros genomas, buscamos a história da progressão do patógeno, queríamos entender a dinâmica de dispersão da Itália para o Brasil; comparamos a situação em Minas, São Paulo e Rio, os principais ‘hot spots’ do País, para entender a dispersão do patógeno.”

O grupo de Marta, coordenado por Luiz Carlos Júnior Alcântara, também estuda pacientes assintomáticos e casos de reinfecção. “Estamos tentando entender por que essa doença gera casos muito graves, casos leves e os assintomáticos”, explicou a virologista. “Embora esses casos possam indicar uma possível adaptação do homem ao vírus, o que seria positivo, eles podem também provocar um aumento da transmissão.”

Para a pesquisadora italiana, a boa posição do Brasil não foi surpresa. “Como europeia, fico a vontade para dizer que o Brasil é uma potência emergente, com um potencial gigantesco, excelentes profissionais”, afirmou. “Além disso, a epidemia de zika permitiu que nos capacitássemos nas mais novas técnicas de monitoramento e vigilância genômica. E como o vírus demorou um pouco mais para chegar aqui, já estávamos esperando, não entrou de forma silenciosa como na Europa.”

Croda, que também trabalha na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, lembra que o Brasil já se destacara na produção científica durante a epidemia de zika.

“No caso da zika, foi declarada uma emergência global, mas o epicentro da epidemia era no Brasil, natural que tivéssemos esse protagonismo”, ponderou o infectologista, autor do primeiro estudo nacional confirmando a toxicidade da cloroquina.

“Na covid, temos uma pandemia de impacto global. Podermos produzir ciência de forma competitiva, nas condições em que o País se encontra, é uma grande vitória da academia.”

Para Croda, o fato de o País ter um Sistema Único de Saúde (SUS) estruturado em todo o território facilita produção de conhecimento no Brasil. “Apesar de o governo federal não ter dado apoio a Estados e municípios, temos um SUS forte”, disse. “Poder utilizar toda essa estrutura para fazer pesquisa é um atrativo muito grande, que torna nosso trabalho competitivo.”É a existência do SUS, segundo Croda, que torna o Brasil atraente também para tantos ensaios clínicos de vacinas.

O levantamento mostrou também que a USP teve a maior produção científica entre as instituições brasileiras. Foram 729 publicações, o que representa 18,5% do total nacional. Na sequência, estão a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com 261, e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com 237.

O pró-reitor Sylvio Canuto destaca que apesar do predomínio de estudos nas áreas de ciências biológicas e da saúde, pesquisadores de outras áreas do conhecimento tiveram participação importante na produção da USP.

“No início da pandemia, fizemos um levantamento que identificou 200 grupos envolvidos em pesquisas sobre covid-19 na universidade”, ressalta Canuto. “Além de pesquisas sobre vacinas e reposicionamento de fármacos, houve uma participação importante de pesquisadores de matemática e ciências da computação, desenvolvendo modelos para entender a disseminação da doença, de engenharia, com a produção de respiradores, psicologia e ciências cognitivas, entre outros.”

Estadão Conteúdo

EUA aprovam uso de tratamento com anticorpos sintéticos da Regeneron contra covid-19, o mesmo usado por Trump


 










Diante do avanço descontrolado da epidemia de covid-19, que infectou 12 milhões de pessoas em seu território, os Estados Unidos autorizaram o uso do tratamento da empresa Regeneron, já utilizado pelo presidente Donald Trump.

Os Estados Unidos é o país com mais mortes no mundo pelo coronavírus, com 255.800 óbitos. A epidemia está fora de controle e o número de novos casos diários disparou (quase 164 mil apenas no sábado) e já supera os 12 milhões de contágios, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Diante desta situação, a Agência de Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) autorizou no sábado (21) o uso emergencial do coquetel de anticorpos sintéticos da empresa de biotecnologia Regeneron. Este tratamento foi utilizado por Trump, que o promoveu depois de recuperar-se da covid-19, em outubro.

De acordo com a FDA, o tratamento com REGEN-COV2, uma combinação de dois anticorpos fabricados em laboratório, reduz as hospitalizações e emergências de pacientes com covid-19 que tenham doenças secundárias ou comorbidades.

“Autorizar a terapia com anticorpos monoclonais pode ajudar os pacientes ambulatoriais a evitar internação e aliviar a carga do sistema de saúde”, afirmou Stephen Hahn, representante da FDA.

Terapia promissora

O presidente da Regeneron, Leonard Schleifer, acrescentou que esta decisão representa “um grande passo no combate à covid-19, já que os pacientes de alto risco nos Estados Unidos terão acesso a uma terapia promissora em uma etapa inicial de sua infecção”.

Os anticorpos imitam o que o sistema imunológico faz depois de contrair a covid-19 ao bloquear o espinho do vírus que lhe permite aderir e penetrar nas células humanas.

Este tratamento é mais eficaz durante a fase inicial do contágio, quando os anticorpos ainda têm a possibilidade de controlar o invasor, e não durante a segunda fase da covid-19, quando o risco já não é o vírus e sim a reação exagerada do sistema imunológico que ataca os pulmões e outros órgãos.

O tratamento da Regeneron é o segundo com anticorpos sintéticos que recebe a aprovação emergencial da FDA, depois que uma terapia semelhante desenvolvida pela Eli Lilly conseguiu esse status em 9 de novembro.

A empresa recebeu mais de US$ 450 milhões (cerca de R$ 2,4 bilhões) do governo dos Estados Unidos para o desenvolvimento do tratamento para combater a covid-19 dentro da operação “Warp Speed” (velocidade máxima), criada por Trump para imunizar a população norte-americana.

A Casa Branca também anunciou no final de outubro a compra de 300 mil doses do tratamento da Lilly por US$ 375 milhões (cerca de R$ 2 bilhões), a 1,25 dólares a dose (R$ 6,70).

A autorização concedida à Regeneron é a mais recente notícia esperançosa na luta contra o coronavírus, depois que os testes das vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna anunciaram eficácias próximas a 95%.

Meteorito de 2,2 kg cai em casa na Indonésia e deixa morador milionário


 















Quando uma rocha cai do céu, o destino mais comum é o oceano. No entanto, em alguns casos, além de cair em um local acessível a algumas pessoas, elas não são totalmente destruídas – o que pode render uma quantia de dinheiro bastante alta.

CASO ROBSON: Bolsonaro e Putin acertam a libertação de motorista preso na Rússia


 













Preso há um ano e oito meses, o motorista Robson Nascimento de Oliveira, de 48 anos, sabia que sua rotina na última terça-feira seria um pouco diferente da maioria dos 609 dias passados na Unidade Penal de Kashira, na Rússia. Ele deixou momentaneamente a cela que divide com mais dois prisioneiros e foi conduzido a mais uma audiência do caso pelo qual perdeu a liberdade.

No mês passado, o presidente Jair Bolsonaro interferiu pessoalmente no caso de Oliveira. Uma carta foi enviada ao presidente russo, Vladimir Putin, pedindo a soltura do motorista, sob o argumento de que ele entrou nessa situação por total desconhecimento da regra local. O documento foi levado pessoalmente a Moscou pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Nelsinho Trad (PSD-MS), e pela secretária de Negociações Bilaterais na Ásia, Pacífico e Rússia do Ministério das Relações Exteriores, Márcia Donner Abreu.

Por meio de canais não oficiais diplomáticos, Putin, que nesta semana, durante um encontro dos Brics, afirmou que o mandatário brasileiro “expressa as melhores qualidades masculinas”, sinalizou com uma saída. O melhor agora para o caso é uma condenação rápida e célere. E uma imediata transferência para o Brasil após a sentença.

Época

TCU lança edital de R$ 2,6 milhões para prevenir a propagação de doenças contagiosas no tribunal


 













O Tribunal de Contas da União (TCU), responsável pela fiscalização dos gastos públicos, abriu uma licitação no dia 19 de novembro, que prevê a solução de prevenção à propagação de doenças contagiosas no sistema de climatização do prédio da Corte. A inciativa tem por objetivo garantir o retorno seguro dos servidores ao trabalho presencial, em meio à pandemia de coronavírus. O valor do pregão é de R$ 2,6 milhões.

“Constitui o objeto da presente licitação o registro de preço para fornecimento e instalação de itens necessários à implantação de tecnologia conjunta de oxidação ativa do ar por foto hidroionização (PHI) e Reflective Electro-Magnetic Energy (REME) como solução de prevenção à propagação de doenças contagiosas nos sistemas de climatização dos prédios do TCU em Brasília”, diz o documento.

O recurso a ser usado pelo TCU é um grande aliado no combate a vírus e bactérias. Por meio de um sistema de purificação do ar, a foto hidro ionização promove a descontaminação de ambientes fechados, tanto do ar quanto das superfícies, diminuindo a presença de poluentes, combatendo vírus, bactérias, fungos, vírus e odores.

Questionada pelo Metrópoles sobre a periodicidade da manutenção dos climatizadores da Corte, a assessoria respondeu que o TCU a realiza de forma “constante, promovendo a limpeza e a troca dos filtros e demais componentes seguindo as periodicidades definidas nas normas técnicas de cada equipamento”.

Contudo, o tribunal justificou a necessidade de uma licitação para garantir um ambiente seguro no retorno das atividades presenciais. “A contratação em questão não constitui manutenção periódica ou troca programada de equipamentos. Trata-se de evolução dos sistemas existentes, inserindo um componente que promoverá substancial melhoria na qualidade do ar”, diz a nota.

Equipamentos

De acordo com o TCU, a solução técnica escolhida tem a finalidade de proporcionar maior qualidade do ar no interior dos edifícios do TCU, prevenindo a propagação de Covid-19 e outros vírus, bactérias e fungos, oferecendo maior proteção à saúde das autoridades, colaboradores e visitantes que frequentarem as dependências do tribunal.

Para isso, a Corte quer adquirir equipamentos para a instalação interna e também para ar-condicionados portáteis de purificação de ar. O mais caro, é o modelo Reme-Halo-Led, que custará, segundo a estimativa do edital, R$ 5,8 mil a unidade, totalizando R$ 203,2 mil em 35 itens.

domingo, 22 de novembro de 2020

Manifestantes defendem voto impresso em frente ao Planalto


 













Um protesto a favor do voto impresso acontece neste momento em frente ao Palácio do Planalto e reúne cerca de 50 pessoas. Organizado pelo bolsonarista Renan da Silva Sena, o movimento defende ainda a anulação das eleições municipais deste ano.