quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Athletico-PR é campeão da Copa do Brasil 2019

athletico pr copa do brasil campeão título premiação curitiba

O Athletico conquistou o título de campeão da Copa do Brasil 2019 ao vencer por 2 a 1 o Internacional, na noite desta quarta-feira, no Estádio Beira-Rio. O time paranaense tinha a vantagem por ter vencido a ida e fez a festa na casa colorada diante de 50 mil torcedores.

O Furacão, que conquistou o título pela primeira vez em sua história, abriu o placar com Léo Citadini. Rony abriu em velocidade na esquerda para Marco Rúben, ele deu um lindo toque na meia lua para Léo Cittadini, que dominou e finalizou no canto esquerdo de Marcelo Lomba.

O Inter conseguiu o empate ainda no primeiro tempo. Nico López retomou a posse da bola na grande área pelo lado esquerdo, cruzou desajeitado para Paolo Guerrero, que finalizou firme, Lindoso desviou a bola no travessão, na sequência, Cuesta brigou na grande área e a bola sobrou para Nico López empatar.

Depois de segurar a pressão colorada o segundo tempo inteiro, Marcelo Cirino, que saiu do banco para substituir Marco Rúben, fez linda jogada pela esquerda, driblando dois jogadores de uma vez, depois passou por mais um e deu uma assistência açucarada para Rony marcar o segundo gol, o gol do título do Athletico-PR.

Petrobras sobe gasolina em 3,5%, e diesel em 4,2%, após ataques na Arábia

Caminhão tanque da BR Distribuidora abastece posto em Maceió (Foto: Davi Soares)

Dois dias após a disparada no preço do petróleo provocada por ataques a instalações petrolíferas na Arábia Saudita, a Petrobras anunciou a seus clientes nesta quarta (18) reajustes no preço da gasolina e do diesel.
O preço de venda da gasolina nas refinarias da estatal vai subir 3,5%. Já o preço do diesel terá alta de 4,2%. Os novos valores começam a vigorar nesta quinta (19).
O repasse às bombas depende de políticas comerciais de postos e distribuidoras. O valor cobrado pela Petrobras na venda de gasolina equivale a cerca de 30% do preço final. No caso do diesel, o valor de venda da empresa equivale a 50% do preço de bomba.
(Folhapress)

Alcolumbre vê ‘erro’ em manter valor do fundo eleitoral de 2018 para a eleição 2020

Presidente do Senado, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP). Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Um dia depois de senadores aprovarem a manutenção do financiamento público das campanhas eleitorais de 2020, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), avaliou nesta quarta-feira (18) que é um “erro” replicar o mesmo valor de R$ 1,7 bilhão do fundo eleitoral usado nas eleições gerais de 2018, para as eleições municipais do ano que vem.
Após a Câmara dos Deputados fixar o valor em R$ 3,7 bilhões, o Senado aprovou o fundo eleitoral sem especificar o valor, adiando a definição para a apreciação da Lei Orçamentária de 2020, no final deste ano, pelo Congresso Nacional.
Mas Alcolumbre comentou a proposta de congelamento lançada por um grupo de senadores, classificando-a como “desproporcional”, por manter o valor do fundo usado no ano passado por cerca de 28 mil candidatos, em um pleito municipal com mais de meio milhão de candidaturas, em 2020.
“Olha só a diferença: 500 mil candidatos para eleger 57 mil vereadores; no mínimo, 30 mil candidatos a prefeito para eleger quase 6 mil. Então, manter o fundo da eleição passada, que é desproporcional em relação [ao de 2018], eu acho que é um erro”, disse o presidente do Senado.
O fundo eleitoral criado em 2017 é abastecido majoritariamente com recursos públicos de fixados para o ano passado em 30% do total das emendas parlamentares de bancada constantes da Lei Orçamentária Anual. Tais recursos teriam como destino a áreas como saúde, educação, infraestrutura, saneamento básico, entre outras.
Alcolumbre afirmou que, caso a definição seja pela manutenção do valor, respeitará a decisão da maioria dos parlamentares “mesmo achando que esse recurso ainda é desproporcional para dar condições para que eles possam fazer uma campanha adequada”.
Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), considerou ideal manter o mesmo valor do fundo eleitoral de 2018, corrigido pela inflação no período, com ampliação para algo em torno de R$ 1,8 bilhão. E justificou a posição citando a crise fiscal vivida pelo Brasil, em entrevista ao jornalista Valdo Cruz, do G1.
“O Senado aprovou o fundo com a nossa regra. A regra inicial do projeto era 30% das emendas de bancada, o que dava R$ 3,7 bilhões. Nós fizemos essa mudança porque entendemos que não é hora de a gente fixar o valor. O valor precisa vir da lei orçamentária como veio, um valor muito parecido ou igual ao da eleição passada”, afirmou Maia. 
(Com informações do G1)

Réu em sete processos, Beto Richa recebe prefeitos e anuncia retorno à política

Richa com o prefeito de Laranjeiras do Sul, Berto Silva (à esquerda), do PSC: após período de ostracismo, ex-governador teria anunciado a intenção de voltar à atividade política

Réu em sete processos originados em diversas operações do Ministério Público estadual e do Ministério Público Federal, o ex-governador Beto Richa (PSDB) recebeu, ontem, em seu apartamento, no bairro do Mossunguê, em Curitiba, prefeitos e vereadores do interior. O encontro foi registrado nas redes sociais pelo prefeito de Laranjeiras do Sul, Berto Silva (PSC). Segundo o blog Contraponto, do jornalista Celso Nascimento, o tucano teria dito aos visitantes que pretende retornar à política em breve. 
O anúncio ocorre pouco mais de um mês depois da Executiva Nacional do PSDB, partido do ex-governador paranaense, rejeitar dois pedidos de expulsão do deputado federal Aécio Neves (MG), em uma decisão que beneficiou também a Richa. O resultado representou uma derrota para o governador de São Paulo, João Dória. Pré-candidato à presidência da República para 2022, Dória defendia uma "faxina ética" no PSDB como forma de livrar o partido de lideranças acusadas de corrupção.
Beto Richa também tem pedidos de expulsão do partido contra ele, em virtude dos processos que responde acusado de corrupção, O tucano responde, por exemplo, por crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e fraude à licitação referentes a uma PPP (Parceria Público-Privada) para duplicação da rodovia PR-323, investigado no âmbito da Operação Piloto, fase Lava Jato, na 23ª Vara Federal de Curitiba. Ele é acusado de ter recebido R$ 7,5 milhões em propinas da Odebrecht.

Anatel combate a pirataria e apreende produtos no Paraná e mais 10 estados



A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) realiza uma grande operação de fiscalização de combate à pirataria de equipamentos de telecomunicações, em 11 estados. Na terça-feira (17), primeiro dia da operação, as ações resultaram em mais de 23 mil produtos irregulares lacrados ou apreendidos no Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Amazonas, Goiás, Pernambuco, Piauí e Tocantins.
A decisão da Anatel de fiscalizar as empresas baseia-se em denúncias recebidas de associações e fabricantes de produtos sobre a comercialização de equipamentos não certificados. O trabalho reúne 55 fiscais, divididos em 20 equipes. Os alvos são distribuidoras e empresas do setor.
“A operação realizada é a consagração de um grande esforço que a fiscalização da Anatel vem fazendo dentro do Plano de Ação de Combate à Pirataria, para averiguar de forma bem detalhada as denúncias que recebemos e agir de forma conjunta com outros órgãos da Administração como a Polícia Federal, que participou ativamente em parte das ações de hoje”, disse o superintendente de Fiscalização da Anatel, Igor de Moura.

Ex-prefeito de Planaltina de Goiás é preso por fraude em contratação de serviços de limpeza urbana

David Alves Teixeira Lima foi prefeito de Planaltina de Goiás  em 2017 Foto: Facebook

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) prestou apoio à deflagração da Operação Chorume, do Ministério Público de Goiás (MPGO), nesta quarta-feira (18).  A ação contou com a participação do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco/MPDFT), do Centro De Inteligência do MPDFT e da Polícia Civil do DF.
Em Brasília, as buscas foram realizadas em dois endereços. Foram presos o ex-prefeito de Planaltina de Goiás David Alves Teixeira Lima, o empresário e ex-chefe de gabinete do prefeito, André Luiz Teixeira Kerber, e a procuradora jurídica de Planaltina de Goiás e companheira de André, Anelise de Paula Batista.
Foram cumpridos também quatro mandados de busca e apreensão, três mandados de prisão temporária e um mandado de prisão preventiva, em Planaltina (GO), além de três mandados de busca e apreensão contra duas empresas e um mandado de prisão temporária, cumpridos na cidade de Barreiras (BA). Os presos foram encaminhados para os presídios de Planaltina, Brasília e Barreiras.
A ação tem objetivo de investigar uma organização criminosa que teria atuado durante a gestão do ex-prefeito de Planaltina de Goiás David Alves Teixeira Lima, em 2017. O grupo seria responsável por esquema de contratação ilegal de empresas, mediante dispensa de licitação, para a prestação de serviços de coleta de lixo e limpeza urbana no município. As investigações indicam desvios de recursos públicos que chegam a quase R$ 1,5 milhão de reais.
Segundo o MP, as investigações apontam o envolvimento de agentes públicos e empresários no esquema que fraudou a celebração de dois contratos administrativos entre o município e as empresas Rode Bem Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda. e G.J. Construções e Serviços Ltda.
(Com informações MPDFT)

Dodge denuncia conselheiro do TCE no caso Marielle e pede investigação federal

Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, foram executados em março do ano passado, no centro do Rio. Foto: Renan Olaz/CMRJ

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu hoje (17), ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), a federalização da investigação aberta no Rio de Janeiro para apurar supostas irregularidades na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes.
Caso o pedido de federalização seja aceito pelo STJ, caberá à Justiça Federal, e não mais ao Judiciário local, o julgamento do caso. No mesmo pedido de deslocamento da competência para julgamento, Raquel Dodge apresentou pedido de abertura de um novo inquérito contra suspeitos que teriam participado de uma “encenação de investigação” para conduzir a apuração a falsos mandantes e esconder a verdadeira autoria dos assassinatos.
O pedido foi feito após a procuradora analisar a tentativa de obstrução das investigações. Durante o processo de análise da federalização do caso, uma cópia da investigação que estava em andamento na Justiça do Rio foi solicitada pela procuradora, mas o compartilhamento de informações foi rejeitado pelo juiz responsável pelo caso.
Além da federalização e a abertura de um novo inquérito, Dodge apresentou denúncia no STJ contra o conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) Domingos Brazão, o delegado da Polícia Federal (PF) Hélio Kristian e mais quatro pessoas. Segundo a procuradoria, todos teriam tentado atrapalhar as investigações.
Mandato
Dodge encerra nesta terça-feira (17) mandato de dois anos na PGR. Durante o período em que chefiou o Ministério Público Federal (MPF), a procuradora apresentou 64 denúncias contra 224 pessoas; 19 pedidos de homologação de delações premiadas, e 427 pedidos de extradição.
Para o lugar de Raquel Dodge, o presidente Jair Bolsonaro indicou o sub-procurador-geral Augusto Aras. Antes de tomar posse no cargo, Aras precisa ser aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e pelo plenário da Casa. A previsão é que a indicação seja votada em 25 de setembro.
Até a aprovação, a Procuradoria-Geral da República será chefiada interinamente pelo vice-presidente do Conselho Superior do MPF, Alcides Martins. (ABr)
A prática de cyberbullying contra autoridades e cidadãos vulneráveis também será investigada

Podem ser ”fake” (ou falsas) três das 48 assinaturas de senadores e cinco das 274 assinaturas de deputados em apoio à CPMI das Fake News. É que a Secretaria Legislativa do Congresso, que verificou a autenticidade das assinaturas no dia 5 de junho, não reconheceu oito de senadores e deputados. Há dez assinaturas repetidas de senadores e 32 de deputados. No Congresso, ninguém explica o que houve. 
Não foram confirmadas assinaturas dos senadores Vanderlei Cardoso (PP-GO), José Maranhão (MDB-PB) e Styvenson Valentim (Pode-RN).
Paulo Ramos (PDT-RJ), Dr. Jaziel (PL-CE), Boca Aberta (Pros-PR), Aline Gurgel (PRB-AP) e Abílio Santana (PL-BA) não conferem.
Para ser criada no Congresso, uma CPI mista precisa do apoio de 27 senadores e 171 deputados. Esse mínimo foi atingido.

Deputados de oposição pedem a Maia amplo debate sobre privatização da Eletrobrás

Deputados se reúnem com presidente da Câmara Rodrigo Maia. Foto: Divulgação

Os parlamentares de oposição ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) levaram nesta terça (17) ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), suas posições contra a Privatização da Eletrobrás. Em reunião com Maia, solicitaram que uma eventual proposta do governo para concluir a privatização da Eletrobrás seja amplamente debatida nas comissões da Câmara.
Em resposta ao apelo dos deputados em sua maioria do Partido dos Trabalhadores, Rodrigo Maia informou que, pelo fato do projeto não ter chegado à Casa, ainda não há data para o início da tramitação. E ainda garantiu que, quando a proposição chegar à Câmara, ela tramitará por Comissão Especial e será submetida a amplo debate.
A mobilização em prol da Eletrobrás reuniu os deputados federais Zé Carlos (PT-MA), Henrique Fontana (PT-RS), Júlio César (PSD-PI), João Daniel (PT-SE), Paulão (PT-AL) e Pedro Uczai (PT-SC). E também participaram da reunião os membros do Coletivo Nacional dos Eletricitários, Fernando Pereira, Emanuel Mendes e Fabíola Latino.
O movimento acontece enquanto empresas que privatizaram a distribuição de energia em alguns estados ainda sofrem para superar, com investimentos milionários pactuados nas privatizações, a herança de redes sucateadas durante a gestão da Eletrobrás.

Reação pública de repulsa provocou revogação do Fundão Sem Vergonha

O plenário do Senado se agitou, ouvindo a opinião pública, rebelando-se contra o Fundão que tinha apoio do presidente da Casa, Davi Alcolumbre - Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado.

O acordo dos líderes no Senado, nesta terça (17), jogando no lixo a minirreforma eleitoral aprovada na Câmara, resultou da impressionante pressão da opinião pública, incluindo a avalanche de críticas nas redes sociais. Diante da repulsa geral, os senadores desistiram de comprar briga em defesa do Fundão Sem Vergonha. O acordo preserva o Fundo Eleitoral de R$1,7 bilhão, mesmo valor da eleição de 2018. 
Diante da rebordosa, até Rodrigo Maia, que deixou prosperar o Fundão na Câmara, virou um crítico do aumento do valor para R$3,7 bilhões.
Se não houvesse o acordo de líderes no Senado, o projeto aprovado da Câmara seria rejeitado, incluindo o Fundão de R$1,7 bilhão.
Presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS) foi uma gigante contra o Fundão Sem Vergonha. Não aceitou análise do texto ”a toque de caixa”.
Senadores bateram o bumbo, como Jorge Kajuru e Leila Barros (DF), do PSB, Alessandro Vieira (SE) e Eliziane Gama (MA), do Cidadania.

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Brasil já perdeu R$ 3,5 bilhões no comércio com EUA e Israel

Presidente Jair Bolsonaro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, no Muro das Lamentações, em Jerusalém

Os dois países mais alinhados ao governo de Jair Bolsonaro e com maior influência no xadrez da geopolítica mundial deram prejuízo no comércio ao Brasil até agora em 2019. De janeiro e agosto deste ano, a balança comercial brasileira teve saldo negativo de 352 milhões de dólares e de 519 milhões de dólares, respectivamente, com Estados Unidos e Israel. No total das transações com os dois, o Brasil perdeu 871 milhões de dólares (cerca de R$ 3,5 bilhões).

Com relação a países europeus com governos nacionalistas e de extrema-direita, como Itália, Hungria, Polônia e República Checa, a diferença entre exportações e importações também é desfavorável ao Brasil. Apenas os sul-americanos "amigos" contribuem positivamente.

O país que mais se beneficiou do comércio com o Brasil foi Israel, do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de quem Bolsonaro é aliado no Oriente Médio. A diferença entre exportações e importações nos oito primeiros meses do ano foi de US$ 519 milhões negativos na balança brasileira. O “rombo” foi maior que o do mesmo período de 2018, quando o saldo foi de US$ 446 milhões negativos.

Em abril deste ano, o presidente esteve em Israel e, demonstrando seu apoio internacional ao país, visitou o Muro das Lamentações - um dos símbolos mais sagrados do judaísmo - ao lado de Netanyahu, algo inédito para um chefe de estado brasileiro, já que o local também é reivindicado pela Palestina.

Nesta terça-feira (17), ocorreram eleições legislativas em Israel. Até o momento, Netanyahu, do campo da extrema-direita, e seu adversário Benny Gantz, de centro-direita, estão empatados na apuração dos votos e nenhum dos dois teria capacidade para formar um novo governo.

Ex-executivo da Odebrecht que delatou Aécio e Lobão morre

 REUTERS/Carlos Jasso

A Polícia do Rio investiga a morte do ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Henrique Serrano do Prado Valladares, delator da Operação Lava Jato que revelou supostas propinas para o deputado Aécio Neves (PSDB/MG) e para o ex-senador Edison Lobão (MDB/MA), ex-ministro dos governos Lula e Dilma.

O registro oficial da 14ª Delegacia, no Leblon, aponta "causa indeterminada". O corpo foi encontrado nesta terça-feira, 17, no apartamento onde o delator morava. A polícia abriu uma guia de remoção para que os Bombeiros levassem o corpo ao Instituto Médico Legal (IML).

As primeiras investigações indicam que não havia sinais de arrombamento no apartamento, nem evidências de luta. O corpo já passou por necropsia e foi liberado para a família.

Valladares foi apontado por outros delatores da empreiteira como um dos negociadores de R$ 30 milhões de propina para Aécio atuar a favor dos Projetos do Rio Madeira (Usinas Hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, em Rondônia) e, assim, atender interesses da empreiteira e também da Andrade Gutierrez.

Valladares contou que a empreiteira pagava prestações de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões, repassados pelo Setor de Operações Estruturadas, o departamento de propinas do grupo, para "Mineirinho", codinome atribuído a Aécio. O delator também dedicou parte de suas revelações a Lobão, ou "Esquálido", como o ex-ministro e ex-senador era rotulado nas planilhas de propinas da empreiteira.

Segundo Valladares, o ex-ministro recebeu R$ 5,5 milhões para rever o leilão da usina de Jirau e a Odebrecht assumisse o empreendimento. O delator contou que "Esquálido" teria cobrado uma "contrapartida" após reunião com os executivos da empreiteira. "Ele sinalizava que iria nos ajudar. E que precisava de nossa ajuda, de propina", declarou Valladares.

Segundo Valladares, o então presidente do grupo, Marcelo Odebrecht, "acreditou nisso". "Sem que ele (Lobão) entregasse nada, simplesmente para que ele fizesse um esforço de, usando nossos argumentos, que eram verdadeiros e absolutamente legais, ele criasse um contraponto na Casa Civil, para isso surgiu um pagamento de R$ 5,5 milhões. Com certeza, caixa 2", afirmou o delator.

O pagamento da propina, relatou Valladares, foi feito em algumas ocasiões, com entrega de dinheiro diretamente na casa do filho de Lobão, Márcio Lobão, no Rio.

O ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura disse, ainda, que em encontros em São Paulo, Lobão Filho falava que podia "ajudar a Odebrecht em obras, mas que isso exigia contrapartidas da empreiteira". Em suas reuniões com o ministro Lobão em Brasília, Valladares disse que era recebido no gabinete com gaspacho, uma tradicional sopa espanhola. "Ele é magro que nem um palito, e se alimenta a base de gaspacho", disse Valadares.

Depois de acertar os pedidos e propinas, disse o delator, Lobão pedia para que o "fiscal" entrasse no gabinete, para registrar os temas e discussões feitas durante o encontro.
Defesas

Tanto o deputado Aécio Neves quanto o ex-ministro Edison Lobão sempre negaram enfaticamente a prática de ilícitos e o recebimento de propinas da Odebrecht.

Morre menina de 10 anos que contraiu ameba que 'come' o cérebro

Meningoencefalite amebiana primária tem alto índice de letalidade — Foto: Laboratory Identification of Parasites of Public Health Concern/Divulgação

A família e a escola de Lily Mae Avant confirmaram a morte da menina de 10 anos que vinha sendo tratada por "meningoencefalite amebiana primária". 

A doença é rara, mas ficou conhecida porque é causada por uma ameba que pode atacar o tecido do cérebro humano. O micro-organismo entrou no corpo da menina quando ela nadou em um lago no estado americano do Texas.

"Estamos profundamente entristecidos pela perda de Lily Avant", informou a escola da criança, a "Valley Mills Elementary", por meio de suas redes sociais. 

De acordo com a escola, Lily era "uma pessoa incrível e amiga de todas".

Athletico e Internacional jogam hoje as 21,30 a final da Copa do Brasil

Resultado de imagem para atletico paranaense e inter

O Athletico Paranaense busca hoje à noite um título inédito para o futebol paranaense. Contra o Internacional, às 21h30 no Estádio Beira-Rio, tenta conquistar a Copa do Brasil pela primeira vez. No jogo de ida, em 11 de setembro, o Furacão venceu por 1 a 0 e agora precisa de um empate para ficar com o taça. 
O gol como visitante não é critério de desempate na competição. Se perder por um gol de diferença, a decisão será nas cobranças de pênaltis, sem prorrogação. A equipe gaúcha só fatura o título no tempo normal se ganhar por dois ou mais gols de diferença.
O futebol paranaense nunca conquistou a Copa do Brasil, criada em 1989. O Athletico foi finalista em 2013 – perdeu a decisão para o Flamengo. O Coritiba foi duas vezes vice-campeão do torneio. O Inter conquistou o título uma vez, em 1992.
Além do título inédito, o Athletico busca o título para ganhar três mega premiações: vaga na Copa Libertadores 2020, vaga na Supercoap 2020 e premiação de R$ 52 milhões.
A premiação acumulada pelo Athletico na Copa do Brasil é de R$ 12,3 milhões: R$ 2,5 milhões pelas oitavas de final, R$ 3,1 milhões pelas quartas e R$ 6,7 milhões pela semifinal. Se ficar com o vice, recebe mais R$ 21 milhões e termina a competição com R$ 33,3 milhões. Se conquistar o título, fatura mais R$ 52 milhões e encerra com R$ 64,3 milhões.
A Copa do Brasil tem outro atrativo. O campeão ganha vaga direto na fase de grupos da Libertadores, benefício que só vale para os quatro primeiros do Brasileirão. O 5º e o 6º colocados da Série A precisam disputar as fases preliminares da Libertadores 2020.
Outro benefício para 2020 é disputar a Supercopa, competição reativada pela CBF, que vai reunir o campeão da Copa do Brasil e o campeão do Brasileirão. Os times vão se enfrentar em jogo único em 22 de janeiro, no estádio Mané Garrincha, em Brasília.
A Supercopa teve apenas duas edições na história. Em 1990, o Grêmio derrotou o Vasco. Em 1991, o Corinthians bateu o Flamengo.
Escalação
O Athletico pode repetir a escalação usada no primeiro jogo com o Internacional. Os desfalques são os mesmos dos últimos meses. O zagueiro Pedro Henrique, os laterais Abner Vinícius e Adriano e o meia Everton Felipe não podem jogar a Copa do Brasil 2019. O lateral-direito Jonathan e o meia Bruno Nazário seguem em recuperação. O zagueiro Thiago Heleno e o volante Camacho cumprem suspensão por doping.
No Inter, o meia D´Alessandro, 38 anos, é dúvida. Ele sentiu um desconforto muscular no domingo. Se não tiver condições, será substituído pelo ponta Wellington Silva.
Nas demais posições, o técnico Odair Hellmann pode repetir os mesmos jogadores do primeiro jogo da final. Os desfalques são os mesmos das partidas anteriores: Natanael, Rodrigo Dourado e Galdezani.
Um retrospecto negativo e outro positivo para o Furacão
A grande decisão da Copa do Brasil de 2019, entre Athletico Paranaense e Internacional tem dois retrospectos históricos de peso. Um deles é favorável ao time paranaense. Outro, à equipe gaúcha.
Para o Furacão, peso a vantagem obtida no jogo de ida, a vitória por 1 a 0 na Arena da Baixada, em 11 de setembro. Nas 30 edições da Copa do Brasil, 16 times abriram vantagem no primeiro jogo e 12 deles (75%) conquistaram o título na volta. Só o Palmeiras (em 1998 e em 2015), o Sport (em 2008) e o próprio Internacional (em 1992) conseguiram reverter a derrota do jogo de ida e ficar com a taça.
Para o Inter, pesa o fraco retrospecto do Athletico em Porto Alegre. Nos últimos 15 confrontos entre as duas equipes no Rio Grande do Sul, o Furacão sofreu 11 derrotas e somou quatro empates.
A última vitória do Athletico como visitante sobre o Inter foi em 2002, pela Copa Sul-Minas, pelo placar de 3 a 2. O time comandado por Geninho venceu com gols de Ilan, Adriano Gabiru e Kleber Pereira. A equipe contava ainda com o goleiro Flávio, os zagueiros Nem, Gustavo Caiche e Rogério Corrêa, o lateral Luisinho Netto, o volante Kleberson e o atacante Dagoberto.
Em toda história, o Inter recebeu como mandante o Athletico em 28 partidas. Venceu 14 e empatou 11. Foram apenas três vitórias do Furacão nesses duelos. Além daquela em 2002, as outras foram em 1998 e em 1996, ambas pelo Brasileirão.

Jovem de 22 anos morre ao tentar acender churrasqueira no interior de São Paulo

Jovem de 22 anos morre ao tentar acender churrasqueira - Foto: Reprodução/Facebook

Uma celebração em família acabou em tragédia no último final de semana na pequena cidade de Vera Cruz, interior de São Paulo. Durante um churrasco em família, houve um acidente e a jovem Natali Stefanni Martins, 22 anos, acabou com 98% do corpo queimado. Ela morreu nesta segunda-feira (16).

De acordo com o relato de testemunhas, ela estava ajudando o marido Wellington Martins, 23 anos, a acender a churrasqueira com álcool quando houve a explosão. O jovem teve queimaduras em 35% do corpo e está internado na Santa Casa de Marília. O hospital não divulgou o estado de saúde da vítima.

Amigos disseram à policia que se tratava de um churrasco oferecido pelo casal. Já na madrugada, os dois foram reacender a churrasqueira, que era do modelo portátil, quando houve a explosão.

O Corpo de Bombeiros de Marília afirmou que a recomendação é que não se use líquidos inflamáveis, como gasolina e álcool, para acender a churrasqueira.

No velório, realizado na noite desta segunda, Vanessa Osório de Lima, amiga de Natalia, relembrou a alegria do casal. “Era um casal festeiro. Gostavam de se divertir, sempre reuniam os amigos”

Governo reduz tarifa de importação de equipamentos médicos



O Ministério da Economia zerou o imposto de importação para centenas de produtos, entre eles, equipamentos médicos, de informática e para a indústria. A informação foi destacada pelo presidente Jair Bolsonaro em publicação na sua conta pessoal no Twitter.
“Após zerar impostos de medicamentos que combatem AIDS e câncer, o Governo Bolsonaro, via @MinEconomia, faz o mesmo com centenas de produtos, entre eles, com equipamentos e produção médicos, exames, cirurgias oftalmológicas, informática e outros”, escreveu.
A Portaria Nº 2.024, de 12 de setembro de 2019, da Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia foi publicada nesta segunda-feira (16) no Diário Oficial da União e entra em vigor dois dias úteis a partir da data de publicação.
Também pelo Twitter, o Ministério da Economia informou que já foram zerados impostos de importação de 1.189 produtos. “Estamos trabalhando para baratear o custo de investimentos e facilitar o acesso dos brasileiros a bens que não são produzidos aqui. Já zeramos o imposto de importação de 1.189 produtos. Agora, damos mais um passo para incentivar o investimento e a modernização das nossas fábricas”, diz a publicação.
No início do mês de agosto, o governo também reduziu as tarifas de importação de 17 produtos como medicamentos para tratamento de câncer e HIV/Aids com o objetivo de reduzir o custo de produção das empresas instaladas no Brasil e o preço dos produtos para os consumidores.(ABr)

Pesquisa: 69,5% acham que declarações de Bolsonaro atrapalham seu governo

O presidente Jair Bolsonaro em seu ambiente preferido: na grade, à chegada no Planalto, falando o que lhe vem à cabeça . - Foto: Antonio Cruz/ABr

Levantamento nacional realizado pelo instituto Paraná Pesquisa revela que 69,5% dos brasileiros acham que as declarações polêmicas do presidente Jair Bolsonaro (PSL) mais atrapalham do que ajudam o próprio governo. Mas para 23,8% dos entrevistados, o presidente está certo: suas declarações ajudam a administração.
A pesquisa “Avaliação da forma de comunicação do presidente Jair Bolsonaro” foi realizada em 170 municípios dos 26 estados e no Distrito Federal entre os dias 11 e 14 deste mês, tendo sido ouvidas 2080 eleitores nas mais diversas faixas etárias, econômicas e de escolaridade.
Outro questionamento aos entrevistados obteve a percepção se as declarações de Bolsonaro são feitas de forma proposital. Para 58,4% dos brasileiros, sim, o presidente fala de caso pensado, de forma proposital, enquanto 35,3% consideram que suas declarações são espontâneas.
No quadro abaixo, o instituto Paraná Pesquisa mostra que as mulheres (73,8%) são mais críticas que os homens (64,8%) na avaliação de que as declarações polêmicas de Bolsonaro mais atrapalham que ajudam o seu governo. Também os brasileiros com ensino superior (77,4%) criticam essa forma de comunicação.

Governo libera uso de mais 63 agrotóxicos; são 325 só neste ano

Governo autoriza mais 63 agrotóxicos, sendo 7 novos; total de registros em 2019 chega a 325. Foto: Reprodução

O Ministério da Agricultura liberou mais 63 agrotóxicos nesta terça-feira, 17. No total, a gestão de Jair Bolsonaro permitiu, desde o início do mandato, o uso de 325 novos produtos.
Assim, o ritmo de liberação deste ano segue sendo o mais alto da série histórica do ministério, iniciada em 2005.
Entre todos químicos liberados neste ano, 185 tem uso exclusivo na indústria e 140 são produtos formulados, vendidos para produtores rurais – apenas 14 destes são biológicos e orgânicos.
Nesta leva, 56 são genéricos de pesticidas que já existem no mercado. Outros cinco são novos produtos e dois são princípios ativos – que servem de base para os agrotóxicos.
Pela lista publicada hoje no Diário Oficial da União, estão na classificação toxicológica classe I (extremamente tóxicos), 10 na classe II (altamente tóxicos), 30 na classe III (medianamente tóxicos), estes três, enquadrados como produtos perigosos ao meio ambiente em relação ao potencial de periculosidade ambiental. Os outros da lista estão na classe IV (pouco tóxico), porém, também perigoso ao meio ambiente.
A liberação de agrotóxicos começou a subir em 2016, no governo de Michel Temer (MDB). Até 17 de setembro, foram 145 produtos liberados naquele ano – com parte das autorizações de Dilma Rousseff (PT), que teve o impeachment decretado no dia 31 de agosto –, seguido por 240 em 2017 e 309 no ano passado.

Arábia Saudita anuncia compra de frutas, castanhas e ovos do Brasil

Ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Foto: Marcelo Camargo/ABr

O Ministério da Agicultura anunciou hoje (17) um acordo comercial com a Arábia Saudita para ampliação das exportações de produtos do agronegócio brasileiro. A ministra Tereza Cristina se reuniu com representante da autoridade sanitária saudita, em Riade.
Foram autorizadas as exportações de castanhas, derivados de ovos e a ampliação do acesso a frutas brasileiras. Somados, os produtos representam um mercado potencial superior a US$ 2 bilhões.
Hisham bin Saad Al Jadhey, CEO da autoridade sanitária saudita, destacou que o país importa 80% dos alimentos que consome, provenientes de mais de 150 países. Nesse sentido, ele falou sobre a importância do acordo com o Brasil na garantia da segurança alimentar do país e ressaltou a qualidade dos produtos brasileiros.
A ministra Tereza Cristina destacou o papel do Brasil como potencial fornecedor de outros ítens para a Arábia Saudita, como arroz, açaí e sucos.
Entre os produtos mais vendidos para os sauditas estão carne de frango (in natura), açúcar de cana (bruto), carne bovina (in natura), soja (grão e farelo), milho, açúcar refinado e café (solúvel e verde). Em 2018, as exportações de produtos agropecuários para a Arábia Saudita renderam US$ 1,696 bilhão. Foram mais de 2,959 milhões de toneladas. A carne de frango representou 47,4% do valor vendido em 2018 para a Arábia Saudita (US$ 804 milhões e 486 mil toneladas). (ABr)

Escritório de ex-primeira-dama do Rio deve ter contas desbloqueadas para pagar rescisões

Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sergio Cabral, foi condenada por organização criminosa e lavagem. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

O Ministério Público Federal (MPF) manifestou ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) que concorda com a ação de um ex-funcionário do escritório Ancelmo Advogados para a Justiça liberar R$ 30 mil das contas bloqueadas do escritório para pagar rescisões trabalhistas. O bloqueio é resultado de ordem judicial para ressarcir perdas aos cofres públicos atribuídas a Adriana Ancelmo ao fim do processo da Operação Calicute, da Força-tarefa Lava Jato/RJ. O julgamento do mandado de segurança com o pleito foi pautado pela 1ª Turma do TRF2 para esta quarta-feira (18/9).
No parecer à 1ª Turma, o MPF se opôs em parte à decisão da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro – para a qual o bloqueio deve ser mantido – e avaliou que a 47ª Vara Trabalhista homologou o acordo do escritório para indenizar o advogado, logo tem força de sentença e deve ser cumprido.
“Não há como não dar cumprimento à decisão proferida pela Vara Trabalhista, exatamente por se tratar de uma decisão judicial, emanada de autoridade de mesmo grau e hierarquia”, notou o Núcleo Criminal de Combate à Corrupção do MPF na 2ª Região (RJ/ES) ao TRF2. “A autoridade judiciária criminal não tem legitimidade e competência para impedir o gravame determinado pelo juízo de outra esfera. Aliás, idêntica postura seria exigível do juízo trabalhista, que não poderia rejeitar penhora determinada pelo juízo criminal, se fosse o caso.”
Para os procuradores regionais do NCCC/MPF na 2ª Região, o desbloqueio parcial das contas, além de vinculado ao cumprimento pendente de uma decisão judicial, trata de crédito trabalhista, que tem natureza alimentar, o que leva o MPF a concluir pela necessidade da liberação dos valores firmados. O MPF citou ainda que registra-se a liberação de valores retidos daquele escritório para pagar outras rescisões trabalhistas, nos autos do processo que tramita sob o nº 0011458-89.2018.4.02.0000.
Adriana Ancelmo é advogada e já foi condenada por lavagem de dinheiro na Lava Jato do Rio. Seu marido, o ex-governador Sérgio Cabral (MDB), já foi condenado a quase 200 anos de prisão na operação. (Com informações da Assessoria de Comunicação do MPF na 2ª Região)

Justiça do DF condena senador Romário a pagar aluguéis atrasados

Romário também terá que destruir o píer e o campo de futebol profissional que construiu Foto: Facebook

O senador Romário de Souza (Podemos –RJ) foi condenado a ter que pagar pelo aluguel da casa localizada no Lago Sul, bairro nobre de Brasília. Romário também terá que destruir o píer e o campo de futebol profissional que construiu as margens do Lago Paranoá. Cabe recurso da sentença.
O juiz substituto da 7ª Vara Cível de Brasília, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e territórios (TJDFT), condenou o senador e seus fiadores ao pagamento dos aluguéis vencidos, a partir de 01/11/2015 até 02/12/2016, montante de aproximadamente R$ 385 mil, referentes a casa alugada pelo senador. “Demonstrada a mora dos réus, a rescisão do contrato, com a consequente condenação ao pagamento dos encargos locatícios vencidos até a data da efetiva ocupação (02/12/2016), é medida que se impõe”.
Em sua decisão, o juiz destacou que “não tendo os demandados demonstrado o desacerto do valor cobrado a título de aluguel mensal, e encontrando-se vigente o contrato ordinariamente celebrado, com todas as garantias nele existentes, caberia aos réus comprovar o pagamento dos locativos em questão, o que não se desincumbiram de fazer”.
Com relação à recuperação ambiental da área, o magistrado entendeu que “não há que se falar em obrigação de “recuperação ambiental da área”, já que não há qualquer elemento de convicção nos autos, que nos faça concluir que a necessidade desta tenha sido determinada pelo Poder Público”.
Entenda o caso
Ao propor a ação, a Fashion Park Empreendimentos Imobiliários relata que o contrato de locação, celebrado em 2012 com o Romário, com vigência inicial de 24 meses, foi prorrogado por prazo indeterminado. E relata que em junho de 2015, o valor do aluguel foi reajustado, conforme acordado com o assessor do senador e seu advogado. No entanto, e novembro o senador parou de pagar os aluguéis.
A Fashion Park alega ainda que, além de não permitir seu acesso ao imóvel, conforme autoriza o contrato, Romário não realizou a manutenção no bem e construiu um píer e um campo de futebol na área pública, sem autorização da autora ou dos órgãos públicos competentes. (Com informações TJDFT)

Governador da Bahia gasta R$ 300 mil com encontro de prefeitos em resort de luxo

Resort Vila Galé Marés, em Guarajuba, na Bahia. Foto: Divulgação

Com o aval e participação direta do governador Rui Costa (PT), o governo da Bahia patrocinou com R$ 300 mil o 7º Encontro dos Prefeitos da Bahia, realizado no último final de semana no luxuoso resort Vila Galé Mares, em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (BA). O patrocínio do estado foi formalizado através da Bahiatursa (Superintendência de Fomento ao Turismo do Estado da Bahia).
Além do governador da Bahia, Rui Costa, e do senador Jaques Wagner (PT), o evento reuniu mil participantes, entre prefeitos, vice-prefeitos e secretários municipais.
Para se hospedar no resort, qualquer pessoa deve pagar R$ 4.788,00 em um pacote mínimo de três diárias, no “apartamento família” para duas pessoas, com todas as despesas de alimentação e bebidas incluídos, entre os dias 20 e 23 de setembro.

Número de famílias brasilienses endividadas registra queda em agosto

Sobre o nível de endividamento: 2,9% dos brasilienses afirmam estar muito endividados Foto: Valter Campanato/ABr

Após atingir o maior patamar do ano no mês de julho, o endividamento das famílias brasilienses teve uma leve queda em agosto. De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada pela Fecomércio-DF, o número de famílias com algum tipo de dívida na capital passou de 799.512 para 795.269. Isso significa que 81,2% das famílias brasilienses estavam endividadas em julho ante 80,6% em agosto. 

O montante de famílias com contas em atraso também caiu, passou de 12,9% em julho para 12,3% no mês de agosto. Em comparação com o ano anterior, o endividamento está um pouco mais alto. Em agosto de 2018, o percentual de endividados era de 78%.

O presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, explica que a situação ainda está longe do ideal, mas a queda reflete uma expectativa boa para os próximos meses. “O brasiliense está procurando manter uma situação financeira mais equilibrada. Os cidadãos estão evitando compras a prazo para não adquirirem mais dívidas. Por isso, podemos sentir um pequeno declínio no número de endividados em agosto”, diz. “Aliado a isso, geralmente no segundo semestre as obrigações com impostos e gastos extras são menores”, completa Francisco Maia.

O estudo mostra ainda que 90,9% dos entrevistados se dizem comprometidos com o cartão de crédito. Sobre o nível de endividamento: 2,9% dos brasilienses afirmam estar muito endividados. Em relação a parcela da renda comprometida com dívidas: 28,8% disseram ter metade do orçamento destinada a pagamentos, como: cheque pré-datado, cartões de crédito, fiados, carnês de lojas, empréstimo pessoal, compra de imóvel e prestação de carro e seguro. 

Já entre o percentual de famílias com dívidas em atraso, ou seja, que estão inadimplentes, 37,4% disseram ter condições de pagar totalmente; 59,6% parcialmente; 2% não souberam responder e 1% afirmaram não ter condição, sendo assim, continuarão inadimplentes. Dentre o total de entrevistados da pesquisa, apenas 0,1% disseram que não conseguirão pagar as dívidas em atraso.

terça-feira, 17 de setembro de 2019

ROSÁRIO DO IVAÍ........Partidos políticos estão se articulando para as eleições 2.020, conheça os Pré candidatos.

Resultado de imagem para Rosario do ivaí

A corrida pela prefeitura de Rosário do Ivaí (região norte do Paraná) já está começando, e vários nomes começam aparecer.


Os partidos já estão se articulando, muitos pegando os resultados das eleições anteriores como base de desempenho para a escolha dos candidatos. 

O atual prefeito Kuroda ainda não confirmou oficialmente se tentará a reeleição, mas algumas fontes afirmam que ele é sim pré candidato e disputará o pleito eleitoral.
Conheça os pré candidatos a prefeitura de Rosário do Ivaí.

Ex prefeito Ademar                   PSDB

Ex prefeito Orlando                   PMDB

Prefeito  Kuroda                        PSC

Junior da farmácia                    PSL

Ex Vereador Rone                     PSL

Ex Vereador João Carlos          DEM

Vereador Cesar                         PDT

Vereador Jandre                        PSD

Vereador Loede                         PSDB

Vereador Valdecir                      PSDB

Vereador João do Lício              PTB

Ressaltamos que são informações extra oficial, e podem sofrer mudanças, e todos são Pré Candidatos.


É permitido a pré-candidatos declararem publicamente sua suposta candidatura a determinado cargo. Segundo o artigo 36-A da Lei de nº 13.165 de 2015:

Não configura propaganda eleitoral antecipada, desde que não envolva pedido explícito de voto, a menção à pretensa candidatura.
LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Acesso às Informações Públicas.