terça-feira, 24 de novembro de 2020

Apresentador e jornalista Fernando Vanucci morre aos 69 anos em São Paulo


 












O apresentador e jornalista Fernando Vanucci morreu aos 69 anos, em Barueri, na Grande São Paulo, na tarde desta terça-feira (24). Vanucci deixa quatro filhos.

Segundo Fernandinho Vanucci, filho do apresentador, em 2019, o jornalista colocou um marcapasso. Nesta manhã, ele estava em casa, passou mal e foi levado para o hospital.

De acordo com informações da Guarda Civil Municipal de Barueri e do filho do apresentador, Vanucci foi levado ao Pronto-Socorro central da cidade, onde morreu.

No ano passado, Vanucci sofreu um infarto e ficou internado no Hospital Oswaldo Cruz, onde passou por uma angioplastia coronária.

Nascido em Uberaba, Vanucci começou a trabalhar em rádio ainda adolescente. Na década de 70, começou na TV Globo, em Minas Gerais, e depois foi transferido para a Globo do Rio de Janeiro. Na Globo, apresentou jornais como o Globo Esporte, RJTV, Esporte Espetacular, Gols do Fantástico, entre outros.

Desde 2014, ele atuava como editor de esportes na Rede Brasil de Televisão.

G1

Adolescente desaparecida em Ivaiporã é encontrada















 A adolescente de 13 anos que estava desaparecida em Ivaiporã foi encontrada na noite de segunda-feira (23) e está bem, diz familiares.   

Amanda Beatriz, tinha saído da residência na Vila Santa Maria por volta das 18h30 de domingo (22) e não deu mais notícias

Desde de então, familiares fizeram apelos por meio das redes sociais.

A motivação para o desaparecimento não foi revelada. A família agradece pelas orações e compartilhamentos.

Ocupação de leitos para Covid-19 ultrapassa 100% no Providência


 














Pela segunda vez, no período de uma semana, a ocupação de leitos para Covid-19 na enfermaria do Hospital da Providência, em Apucarana, ultrapassou 100%.

De acordo com o boletim diário de ocupação divulgado pela 16ª Regional de Saúde (RS) de Apucarana, 17 pacientes estão internados hoje com a doença, enquanto existem 15 leitos disponíveis para o coronavírus. Na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), a ocupação chegou a 80% nesta segunda-feira (27)

Em Arapongas, a enfermaria do Hospital Norte do Paraná (Honpar) para Covid-19 está com 40% da lotação. A UTI do Honpar também tem 80% de lotação.

Ladrões invadem empresa na PR-466 e furtam grande quantidade de veneno















 Na madrugada de segunda-feira (23), por volta das 3 horas, uma empresa de insumos agrícolas na PR-466 em Borrazópolis foi alvo de ladrões. Foi furtado uma grande quantidade de veneno que estava armazenado em um barracão.  

A equipe foi acionada para deslocar ao endereço, onde o solicitante informou que recebeu ligação do centro de monitoramento que o alarme da empresa teria disparado.  

 Um funcionário da empresa relatou que viu uma pessoa de longe na porta do barracão de venenos e que logo após um veículo vermelho saiu sentido ao centro de Borrazópolis.

Na empresa, os policiais constataram o arrombamento do cadeado do portão dos fundos da empresa, arrombamento na porta do barracão e de um contêiner. Uma central de alarme também foi arrancada da parede.

Foram levados da empresa aproximadamente 400 quilos de veneno Elatus e vinte caixas de veneno Priori Xtra.

A guarnição fez patrulhamento pela cidade, porém não logrou êxito em abordar nenhum suspeito.  

PF cumpre mais de 200 mandados em investigação contra tráfico de drogas

 

A Polícia Federal cumpre nesta 2ª feira (23.nov.2020) mandados da operação Enterprise, considerada a maior operação do ano no combate à lavagem de dinheiro do tráfico de drogas e uma das maiores da história na apreensão de cocaína nos portos brasileiros. Investiga uma organização criminosa especializada no envio de cocaína para a Europa.

Ao todo, estão sendo cumpridos 215 mandados judiciais, sendo 66 de prisão e 149 de busca e apreensão. Os mandados são cumpridos em cidades de Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Bahia e Pernambuco.

Segundo a Receita Federal, 8 mandados também estão sendo cumpridos na Espanha, na Colômbia, em Portugal e nos Emirados Árabes Unidos.

Entre as medidas judiciais também foi determinado o bloqueio de R$ 400 milhões em bens dos investigados por narcotráfico. Todas as decisões foram expedidas pela 14ª Vara Federal de Curitiba.

Além disso, foram expedidas difusões vermelhas na Interpol para a prisão de 8 investigados que estão no exterior, bem como a identificação e sequestro de bens em outros países.

De acordo com a Receita Federal, as investigações tiveram início a partir de uma apreensão realizada em setembro de 2017, quando 776 quilos de cocaína que estavam sendo exportados pelo Porto de Paranaguá com destino ao Porto de Antuérpia, na Bélgica, foram apreendidos. A partir dessa apreensão, a PF instaurou 1 inquérito policial e os 2 órgãos públicos atuaram em conjunto nas investigações até descobrir a organização criminosa.

Segundo a PF, a investigação durou mais de 2 anos e aponta que os 2 portos mais usados pelos traficantes eram os de Santos, no litoral paulista, e de Paranaguá, no litoral do Paraná. A droga, ainda de acordo com as as investigações, era enviada, em grande parte, para a Europa.

As apurações indicam que os criminosos fazem lavagem de bens e ativos multimilionários no Brasil e no exterior com uso de várias pessoas interpostas (laranjas) e empresas fictícias, a fim de dar aparência lícita ao lucro do tráfico. Durante a investigação do caso foram anteriormente apreendidas 50 toneladas da droga nos portos do Brasil, da Europa e da África.

Segundo a PF, esta é a maior operação do ano em sequestro patrimonial, consubstanciados em aeronaves, imóveis e veículos de luxo, havendo a expectativa de que novos bens sejam identificados após o cumprimento dos mandados de busca e apreensão.

O nome da operação faz alusão à dimensão da organização criminosa investigada, que atua como 1 grande empreendimento internacional na lavagem de dinheiro e exportação de cocaína, o que, segundo a PF, trouxe alto grau de complexidade à investigação policial.

Ao todo, 670 policiais federais e mais 30 servidores da Receita Federal participam da ação.

Carrefour reabre loja onde João Alberto foi morto, em Porto Alegre

 


A unidade do Carrefour em que João Alberto de Freitas, um
homem negro de 40 anos, foi espancado e morto por 2 seguranças brancos abriu as portas pela 1ª vez nesta 2ª feira (23.nov.2020). 

A loja estava fechada desde a última 6ª feira (20.nov.2020).A loja reabriu às 8h, e uma hora antes o estacionamento foi liberado para clientes acessarem o local.

João Beto morreu no estacionamento do supermercado na noite da última 5ª feira (19.nov.2020), véspera do Dia da Consciência Negra. Foram presos pelo crime duas pessoas que atuavam na vigilância da loja: o policial militar temporário Giovane Gaspar da Silva, de 24 anos, e o segurança Magno Braz Borges, de 30.

O crime está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Porto Alegre. A polícia vai analisar as imagens do vídeo postado nas redes sociais e também de câmeras de segurança do local.

A delegada Roberta Bertoldo afirmou na última 6ª feira (20.novo) que a tomada dos depoimentos de todos os que “assistiram passivamente” ao crime seria retomada nesta 2ª feira (23.nov). A conduta dessas pessoas também será investigada.

Em depoimento prestado no sábado (21.nov.2020), obtido e divulgado pelo Fantástico, programa da TV Globo, a funcionária que foi abordada no supermercado por João Alberto disse que o homem “parecia estar furioso com alguma coisa”.

A morte de João Beto provocou indignação em todo o país e repercutiu na mídia internacional. Diversos protestos foram realizados. Autoridades e instituições manifestaram repúdio ao crime e ao racismo. Assista aos vídeos da morte de João Beto e as reações ao assassinato.

Nesta 2ª feira (23.nov), a Ambev (Companhia de Bebidas das Américas) cobrou “medidas imediatas e efetivas” da rede de supermercados Carrefour em razão da morte de João Alberto. Em nota publicada nas redes sociais neste fim de semana, a produtora de bebidas, líder em seu segmento, afirmou “não tolerar qualquer ato de racismo ou violência“.

A Ambev disse ainda estar comprometida a “ajudar a criar mudanças positivas” e a “trabalhar junto” com o Carrefour para “promover mudanças estruturais com urgência”.

Dose da vacina da Moderna deve custar de R$ 134 a R$ 199 para os governos


 











Em entrevista para o jornal alemão Welt am Sonntag neste domingo (22), o presidente executivo da Moderna disse que o preço de cada dose da potencial vacina contra Covid-19 da farmacêutica vai depender da quantidade de doses que cada governo comprar.

A Moderna pretende cobrar entre US$ 25 (R$ 134) e US$ 37 (R$ 199) por dose. Quanto maior o pedido que o governo fizer, menor será o preço de cada dose.

A vacina da Moderna contra a Covid-19 precisa de duas aplicações para garantir um alto índice de eficácia. Dessa maneira, o custo para imunizar cada pessoa será entre US$50 (R$270) e US$ 74 (R$400).

O grupo está conversando com a União Europeia e está prestes a fechar um acordo com o bloco para o fornecimento de milhões de doses da vacina. Além da Moderna, o bloco fechou acordos de fornecimento com outros quatro desenvolvedores de vacina, a fim de chegar em um total de 1 bilhão e 200 milhões de doses de imunizações contra o novo coronavírus.

A Moderna chegou a anunciar que sua vacina, a mRNA-1273, obteve uma taxa de 94,5% de eficácia na prevenção da Covid-19.

CNN BRASIL

Guedes relata resistência dentro do governo para avançar com privatizações

 

O ministro Paulo Guedes (Economia) disse nesta 2ª feira (23.nov.2020) que havia resistência dentro do governo à venda de estatais. Afirmou que parte da equipe ministerial não compreendia a importância das privatizações para reduzir a dívida pública.

Sem ter privatizado nenhuma empresa em 2 anos de governo, Guedes disse em videoconferência que vai partir para o “ataque“ nos próximos 2 anos para promover o programa de desestatização. Disse que a pauta não avança atualmente no Congresso porque há 1 acordo para bloquear o andamento de projetos relacionados ao tema.

“As coisas são entregues, mas tem a política, que às vezes anda e às vezes não anda. Às vezes bloqueia. Atrasou 1 pouco a administrativa. Perturbou bastante a tributária. Impediu as privatizações. Estou convencido hoje de que havia 1 acordo político de centro-esquerda para não pautar. E dentro do governo tem resistências em alguns ministérios. Todo ministro gosta de alguma empresa que está embaixo do ministério dele”, afirmou Guedes em live.

O ministro disse que “ninguém entregou tanto em tão pouco tempo” como o governo Bolsonaro. Deu como exemplo o acordo entre o Mercosul e a União Europeia. O projeto, no entanto, ainda não foi ratificado pelos países europeus.

“A reforma da Previdência: entregue. Os leilões de petróleo da cessão onerosa, que estavam parados há 7 anos: entregue. A reforma administrativa: entregue. O Pacto Federativo: entregue”. Essas duas últimas reformas citadas por ele, no entanto, nem sequer foram votadas no Congresso.

O ministro classificou de “narrativas” as críticas à agenda econômica. Disse que a equipe não pode “ficar o dia inteiro” explicando as ações da pasta.

Barroso diz que “milícias digitais” são “versão contemporânea do autoritarismo”

 

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Luís Roberto Barroso, disse nesta 2ª feira (23.nov.2020) que “milícias digitais” na internet são uma “versão contemporânea do autoritarismo” e buscam destruir as instituições democráticas.


Segundo Barroso, mesmo em países democráticos há hoje 1 “esforço para desacreditar o processo eleitoral”. Para o ministro, os ataques ao processo eleitoral que ocorrem em alguns países, como no Brasil, são 1 desdobramento da ação de quem quer a “desdemocratização”. Em exemplo, ele ainda citou o resultado da eleição presidencial dos Estados Unidos, que vem sendo contestada pelo presidente norte-americano Donald Trump, que foi derrotado pelo democrata Joe Biden.

“Uma versão contemporânea do autoritarismo são essas milícias digitais que atuam na internet, procurando destruir as instituições e golpeá-las, criando 1 ambiente propício para a desdemocratização”, disse o magistrado durante o lançamento de 1 curso de Direito.

“E com muita frequência, muitas vezes, mesmo nas democracias, há 1 esforço de desacreditar o processo eleitoral, quando não favoreça essa crença. É o que hoje se observa, segundo alguns autores, nos Estados Unidos, com a recusa de aceitação do resultado que já parece definido”, completou.

Barroso também citou o populismo e o conservadorismo radical como fenômenos que buscam acabar com a democracia. Em crítica oblíqua ao presidente Jair Bolsonaro e aos apoiadores do governo, o ministro afirmou que as redes sociais têm sido usadas para atacar a imprensa e instituições e tirar direitos de quem pensa diferente.

“O conservadorismo radical, que não se confunde com o conservadorismo –que é uma opção política perfeitamente legítima–, eu me refiro ao conservadorismo radical que se manifesta pela intolerância, pela agressividade, procurando negar e retirar direitos de quem pensa diferente, além de contrariarem os consensos científicos em matérias diversas desde o aquecimento global até a vacinação”, declarou.

“Quem já viveu uma ditadura aqui sabe, só quem não sabe é a sombra que não reconhece a luz. Precisamos utilizar a internet para o bem, para aumentar as possibilidades de participação popular e enfrentar as milícias digitais e os terroristas da rede social com seus hackers e seus difusores de mentiras, pois isso não é parte da democracia.”

O ministro também elogiou a realização do 1º turno das eleições municipais. Disse que o índice de abstenção, de 23%, foi baixo para 1 pleito disputado em meio à pandemia. Ele celebrou o fato de o resultado ter saído no mesmo dia, apesar do problema operacional que atrasou a apuração.

“Conseguimos fazer uma eleição, evitamos uma prorrogação, adiamos para 1 momento em que foram feitas com mais segurança, conseguimos que o plano de segurança fosse observado e que não houvesse disseminação da doença, conseguirmos uma abstenção bem baixa, de 23%, conseguimos controlar as fake news, divulgar o resultado no mesmo dia e as pessoas só falam que teve 1 problema operacional no computador e atrasou duas horas e 50 minutos”, disse o ministro.