quarta-feira, 18 de março de 2020

Pai faz rifa de Kombi para manter o filho vivo em Curitiba



A rifa de uma kombi ano 1985 deve arrecadar recursos para manter a vida do Felipe Fernandes, 8 anos, menino que nasceu com paralisia cerebral. O pai, o analista de logística José Eduardo Fernandes, 40 anos, cuida do filho com a ajuda de outras duas cuidadoras 24 horas por dia. A mãe morreu cinco dias depois do parto. Por isso, a família precisa de recursos para manter os cuidados, tratamentos necessários e comprar diversos outros materiais para o Felipe.
Só o salário de Eduardo não dá conta do recado. O veículo é do modelo clipper, com motor 1.6. Serão mil números para concorrer ao prêmio. A Tribuna do Paraná contou a história do Felipe em agosto de 2016.
Segundo José Eduardo, os números para participar da rifa da kombi podem ser escolhidos pelo whatsapp dele, o (41) 99519-2458. É preciso enviar uma mensagem pedindo a lista de números disponíveis, de 0 a 999. O sorteio será pela Loteria Federal, após todos os mil números serem vendidos. Cada número da rifa custa R$ 40 e há a opção de comprar dois números por R$ 70.
Não é a primeira vez que a família pede o auxílio das pessoas para manter a qualidade de vida do menino. “Essas formas alternativas de conseguir recursos têm sido fundamentais. Recentemente, o Felipe passou por uma cirurgia de coluna, colocou 22 parafusos. Vários tratamentos de fisioterapia precisam ser feitos. Tudo tem custo, além dos valores que já são gastos com a rotina normal dele”, apela o pai.
Os pagamentos dos bilhetes podem ser feitos por depósito bancário e pelo aplicativo Picpay. “Todas as prestações de conta, do destino do dinheiro, são colocadas por mim na internet, nas redes sociais, para a pessoa acompanhar o que é feito com o Felipe. Com a rifa da kombi será a mesma coisa”, explicou o pai.
Segundo as regras da rifa, a kombi está em Curitiba. O veículo é licenciado, quitado, sem débitos ou qualquer tipo de restrição. A transferência do documento para o nome do ganhador será por conta do ganhador. O prazo para a retirada do veículo é de 15 dias.
A kombi foi comprada pela família, há cerca de três meses, exclusivamente para rifa. Ainda segundo o pai, o veículo está em perfeitas condições, a não ser por uma batida na dianteira que está sendo consertada.
“Quase não acreditei. Comprei, fui buscar, mas um carro de uma empresa acabou batendo nela no caminho pra casa. Já foi para a o conserto, já está pago pela empresa, e ela será entregue exatamente como na foto”, informa.